EFESão Paulo

O presidente Jair Bolsonaro agradeceu nesta quarta-feira por ter se recuperado da cirurgia para retirar a bolsa de colostomia que precisou utilizar após ser vítima de um ataque durante a campanha eleitoral em setembro do ano passado.

"Foram três cirurgias e mais de um mês no hospital nesses últimos cinco (meses). Finalmente deixamos em definitivo o risco de morte após a tentativa de assassinato", escreveu Bolsonaro no Twitter.

"Só tenho a agradecer a Deus e a todos por finalmente poder voltar a trabalhar em plena normalidade", completou o presidente.

Bolsonaro recebeu alta na manhã desta quarta-feira do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, após passar pela terceira cirurgia de grande porte desde o ataque sofrido por ele em Juiz de Fora.

O presidente já está a caminho de Brasília. Também estão no voo a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e alguns membros do governo.

Minutos depois da alta, o porta-voz da presidência, Otávio Rêgo Barros, disse em entrevista coletiva que o avião de Bolsonaro pousará em Brasília às 14h. O presidente vai direto do aeroporto para o Palácio da Alvorada, a residência oficial, onde continuará em repouso, seguindo orientação dos médicos que o operaram.

"Os médicos prescreveram que ele se mantenha descanso e faça uma autoavaliação sobre receber ou não ministros", disse Rêgo Barros.

Integrantes do governo esperavam a alta do presidente para terminar de definir as primeiras propostas que serão enviadas ao Congresso, em especial a reforma da previdência.

Rêgo Barros disse que Bolsonaro está preocupado com o "timing" do envio das reformas para o Congresso porque entende que isso deve ser levado em consideração nas discussões que serão feitas.

O porta-voz da presidência aproveitou a entrevista coletiva para desmentir notícias falsas que foram disseminadas durante os 17 dias que o presidente esteve hospitalizado. Rêgo Barros negou, por exemplo, que a equipe médica tenha detectado qualquer sinal de câncer ou infecção em Bolsonaro.

A agenda de viagens do presidente também segue sem alterações, segundo o porta-voz. Bolsonaro pretende viajar aos Estados Unidos em março para se reunir com Donald Trump. Em abril, ele deve visitar o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.