EFEWashington

O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, discutiu nesta quarta-feira, em Washington, com o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, a situação da Venezuela e a logística necessária para envio de ajuda humanitária ao país.

"Trocamos ideias sobre a Venezuela. É importante conhecer a opinião da OEA sobre esse assunto também. Há muitas maneiras que eles podem atuar nisso", afirmou o chanceler após o encontro.

Segundo Araújo, o Itamaraty está trabalhando com outros ministérios do governo do presidente Jair Bolsonaro para preparar a logística necessária para levar ajuda humanitária à Venezuela.

Os dois também discutiram como a OEA pode seguir apoiando o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

A visita a Almagro é mais um dos compromissos do chanceler brasileiro em Washington. Ontem, ele se reuniu com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, e com o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton.

Na segunda-feira, Araújo participou de uma reunião do Grupo de Lima no Canadá. O bloco é formado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e México. O governo mexicano, no entanto, se distanciou das discussões devido às ações do grupo contra a Venezuela.

Guaidó anunciou que a ajuda humanitária pedida pela Assembleia Nacional da Venezuela, presidida por ele, à comunidade internacional será armazenada em três centros, um deles no Brasil.

O governo de Bolsonaro, no entanto, ainda não definiu onde ele será instalado. A expectativa é que os produtos sejam levados para Pacaraima, em Roraima, na fronteira com a Venezuela.