EFERio de Janeiro

O presidente Jair Bolsonaro está internado um hospital de São Paulo onde será submetido a uma cirurgia nesta segunda-feira, na qual os médicos retirarão a bolsa de colostomia que foi colocada em seu abdômen após o atentado sofrido em setembro, quando foi esfaqueado durante a campanha eleitoral.

Bolsonaro deu entrada ontem no hospital Albert Einstein em São Paulo, ao qual chegou após ter visitado a área atingida pela tragédia ocorrida pelo rompimento de uma barragem de rejeitos de minério da companhia Vale em Brumadinho (MG), que deixou pelos menos 58 mortos e 305 desaparecidos.

Esta é a terceira cirurgia a que o presidente se submete desde que foi esfaqueado no abdômen em setembro de 2018 quando era carregado por uma multidão de simpatizantes em Juiz de Fora (MG) durante a campanha eleitoral.

A cirurgia de Bolsonaro começou por volta das 7h (em Brasília), e levará entre três e quatro horas.

Segundo a informação oficial, Bolsonaro terá que permanecer em repouso absoluto por 48 horas, tempo em que será substituído pelo vice-presidente, o general Hamilton Mourão.

Passadas as 48 horas, está previsto que Bolsonaro retome os trabalhos de dentro do hospital, onde receberá seus ministros.

A operação já estava programada há várias semanas, mas coincide com a grave tragédia ocorrida em Brumadinho.

Após retornar do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, na sexta-feira, Bolsonaro viajou para Brumadinho na manhã de sábado e sobrevoou em um helicóptero a área atingida pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério durante algumas horas.

Bolsonaro deverá permanecer cerca de dez dias no hospital, mas o governo criou um gabinete de crise integrado por vários ministros para acompanhar a situação em Brumadinho. EFE

mat/rpr