EFELondres

O Brasil ampliou para 46 o número de universidades citadas no Times Higher Education (THE), o mais prestigiado ranking internacional sobre o ensino superior no mundo, mas nenhuma instituição do país aparece entre as 250 melhores analisadas pela publicação.

Na edição de 2020, o Brasil terá 11 universidades a mais incluídas no ranking, sendo o sétimo país com maior presença na lista, superando Espanha e Itália, que tem 45 cada.

A Universidade de São Paulo (USP) lidera entre as brasileiras, sendo também a melhor entre as instituições latino-americanas, repetindo o resultado obtido no ano passado, quando também ficou classificada na faixa entre 251-300.

A segunda melhor instituição de ensino superior do país no ranking é a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que ocupa a faixa entre as 501-600 posições, resultado pior do que o do ano passado, quando ficou no intervalo entre 401-500.

O ranking elaborado pela Times Higher Education é dominado por universidades dos Estados Unidos e do Reino Unido. Nesta edição, a publicação analisou quase 1.400 instituições de ensino superior em 92 países. Elas são classificadas até o 200º lugar e depois em intervalos maiores.

Pelo quarto ano consecutivo, a Universidade de Oxford, no Reino Unido, lidera a classificação. A Universidade de Cambridge, também britânica, perdeu a segunda posição para o Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos. Completam o top-5 a Universidade de Stanford e o Instituto Tecnológico de Massachussetts (MIT), ambos americanos.

O levantamento é feito a partir de 13 indicadores, que englobam cinco critérios: ensino, pesquisa, citações de artigos científicos, transferência de tecnologia e internacionalização.

Sobre a tendência global, a Times Higher Education destacou a evolução dos países emergentes asiáticos que, segundo a publicação, terão um papel cada vez mais central na elite mundial da educação superior.

Um indicador que prova esse crescimento é o avanço da China, que pelo quarto ano seguido é o país com mais universidades entre o top-200 do ranking. Nesta edição, são 81, perdendo apenas para as 172 dos Estados Unidos, as 110 do Japão e as 100 do Reino Unido.