EFEAlba Santandreu. São Paulo

"Bum Bum Tam Tam", de autoria do MC Fioti, alcançou todo o país em 2017 com uma letra ousada e um ritmo grudento e virou fenômeno no Youtube. Agora, quase quatro anos depois do lançamento, transformou-se em um dos hinos da vacinação contra o novo coronavírus.

Inesperadamente, "Bum Bum Tam Tam" acabou virando a maior propaganda a favor da imunização no Brasil, terceiro país com mais contágios, segundo com maior número de mortes provocadas pela Covid-19 e cujo presidente, Jair Bolsonaro, questiona a eficácia das vacinas.

A música foi resgatada de forma espontânea há alguns dias, quando o governo de São Paulo apresentou o pedido de uso em caráter emergencial da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

A música do MC Fioti, que tem 26 anos, já era um sucesso muito antes da pandemia da Covid-19. O clipe, inclusive, se tornou o primeiro de um artista do país a emplacar a marca de 1 bilhão de visualizações no Youtube, ainda em 2018.

"Tenho a sensação de ter participado na vacina. Vivemos num ano muito precário, estamos sofrendo muito, e estou feliz por transmitir informação às pessoas ou influenciá-las. A vacinação é a nossa salvação", disse MC Fioti em entrevista à Agência Efe.

Após o frenesi provocado pela aprovação emergencial da CoronaVac, ele decidiu adaptar a música, exatamente para alertar sobre a importância da imunização. O lançamento será nesta sexta-feira, após gravação de um clipe no Butantan.

"A vacina envolvente que mexe com a mente / de quem tá presente. A vacina saliente / vai curar muita vida e salvar muita gente. Vem cá vacina, tam / Vem cá vacina tam tam tam", diz a letra atualizada.

FUNK COMO ALIADO DA VACINAÇÃO.

"Sabe quando você faz algo pelo povo? Essa é a sensação que estou tendo através do funk", admite MC Fioti, que já conta com vários discos de diamante e um de platina.

O ritmo surgido nas periferias se tornou aliado da medicina e da ciência - conforme destaca o próprio autor - e em uma forma de combate ao negacionismo liderado por Bolsonaro, que chegou a ironizar os efeitos adversos das vacinas, sugerindo que poderiam transformar as pessoas em jacarés.

"Muitas pessoas não acreditam. Há gente que acha que vamos virar jacaré. Isso não existe, é mentira, mas as pessoas acreditam que sim, porque colocaram isso na cabeça delas", afirmou MC Fioti.

"A importância está nisso, na mensagem. Ontem, você não acreditava na vacina, mas era meu fã, segue meu trabalho, e a mensagem que passo é: 'Verdadeiramente falando, se vacine", acrescentou.

BACH FAZ HISTÓRIA.

A flauta que serve de base para "Bum Bum Tam Tam" é um fragmento retirado de "Partita em Lá menor", escrita por Johann Sebastian Bach por volta de 1723. Até então, MC Fioti nunca havia ouvido falar do célebre compositor alemão.

Ele o descobriu por acaso, enquanto procurava um disco do rapper americano Dr. Dre, um de seus ídolos, que já havia utilizado algumas canções alteradas do alemão como base para produções que realizou.

"Estava buscando de onde Dr. Dre tirava o ritmo de suas músicas. Nesse dia, encontrei uma música que sampleava Sebastian Bach. Fiz busca pelo nome, fui ao Youtube e vi esse homem, com perfil bem clássico, dos antigos, e disse: 'Esse homem é importante'. Comecei a buscar e cheguei na flauta e encontrei a 'Partita em Lá menor", contou.

MC Fioti, então, fez o download da partitura e a transformou em algo novo, gerando o hino informal da vacinação no Brasil.

"Grande Sebastian Bach, muito obrigado. Sua flauta está fazendo história", concluiu.