EFEPorto Príncipe

O ex-presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide, voltou nesta sexta-feira ao país natal, após ter passado as últimas três semanas internado em Cuba, para se tratar contra a covid-19.

Aristide, que completou 68 anos ontem, chegou a Porto Príncipe em um voo fretado e, ao descer da aeronave, fui caminhando sozinho até a ambulância que o esperava na pista do aeroporto internacional da capital haitiana.

Antes de entrar no veículo, o ex-presidente saudou um pequeno grupo de pessoas que o esperavam e o aplaudiam.

As imagens de hoje foram muito diferentes a da ida, em 24 de junho, quando foi colocado no avião em uma maca, necessitando de auxílio de oxigênio para respirar.

Aristide, político popular no Haiti, um dos que tem mais seguidores no país, mas também uma alta rejeição, foi duas vezes eleito presidente, mas acabou deposto em golpes de estado em 1991 e 2004.

A volta dele acontece em meio a uma grave crítica política aberta com o assassinato do então presidente Jovenel Moise, ocorrido no último dia 7 de julho, em Porto Príncipe.

Primeiro eleito à presidência após a redemocratização no Haiti, depois do golpe de 1991, Aristide se exilou na Venezuela e nos Estados Unidos, voltando ao país natal três anos depois, com tropas internacionais encabeçadas pelos Estados Unidos, que o reconduziram ao poder.

Em 2000, voltou a vencer eleição, mas após período de forte instabilidade, marcado por protestos violentos, acabou sendo deposto, desta vez, partindo para exílio na África do Sul. O retorno ao Haiti aconteceu em 2011, com posterior afastamento da política.