EFECuritiba

O jornalista e sociólogo espanhol Ignacio Ramonet e o arquiteto e ativista de direitos humanos argentino Adolfo Pérez Esquivel, vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 1980, visitaram Luis Inácio Lula da Silva nesta quinta-feira na sede da Polícia Federal em Curitiba e disseram que o ex-presidente está otimista quanto ao futuro.

"Ele tem um grande otimismo para a sua perspectiva jurídica no futuro próximo e envia uma mensagem de amor e de solidariedade para todos os brasileiros e brasileiras", disse o sociólogo a jornalistas ao deixar a sede da PF, onde Lula está preso desde abril do ano passado.

Ramonet, que também é escritor e professor de Teoria da Comunicação, advertiu que o ex-presidente acredita que os juízes que o condenaram não vão desistir de mantê-lo na prisão.

"Ele sabe que justiça brasileira não vai desistir de mantê-lo em cárcere político. Mas ele tem a força de um inocente e pensa que é mais livre aqui do que os juízes que o condenaram e estão aqui fora", disse o espanhol.

Ramonet, que vê Lula como "o prisioneiro político mais importante e célebre do mundo", disse que o ex-chefe de Estado está bem tanto física quanto intelectualmente.

"Ele está muito bem fisicamente, faz ginástica todo dia e está intelectualmente muito vivo. Como sempre, fez análises brilhantes tanto da situação interna do país quanto na América Latina. Também analisou a preocupante política americana na região", relatou o jornalista, que transmitiu um pedido do petista para que a sociedade brasileira continue se mobilizando em torno de sua causa.

Pérez Esquivel, que já havia visitado o ex-presidente em outras ocasiões, declarou que o viu cheio de energia e com muita força.

"Ele quer que reconheçam a sua inocência, que ele não é nenhum criminoso. Quer sair com a cabeça bem erguida diante do seu povo e do mundo", disse o argentino.

O ativista lembrou que em aproximadamente um mês será entregue o Prêmio Nobel da Paz deste ano e considera que seria importante dá-lo a Lula, cuja candidatura vem sendo promovida pelo próprio arquiteto. "Lula é um exemplo para os governos de América Latina", opinou.