EFERio de Janeiro

O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, determinou nesta quinta-feira a prisão do ex-ministro José Dirceu.

A ordem de prisão foi expedida pouco depois de o Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF-4) ter confirmado, em segunda instância, a condenação a 30 anos de prisão contra Dirceu pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Com a condenação confirmada em segunda instância e sem a possibilidade de a defesa apresentar mais recursos, Moro determinou que o ex-ministro se apresente até às 17h de amanhã à Polícia Federal. Dirceu deve ficar preso no complexo médico-penal de Curitiba onde estão sendo mantidos os condenados da Lava Jato.

No novo processo, o ex-ministro foi condenado inicialmente por Moro a 23 anos de prisão, mas a pena foi elevado a 30 anos pelo TRF-4. Dirceu é acusado de receber R$ 12 milhões da construtora Engevix em troca de favorecê-la em contratos com a Petrobras.

Ministro chefe da Casa Civil durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dirceu foi um dos principais condenados do Mensalão. O ex-ministro também já tinha sido condenado por Moro em outro caso ligado à corrupção na Petrobras e foi preso em agosto de 2015, mas conseguiu habeas corpus no Supremo Tribunal Federal em maio de 2017 para cumprir a pena em liberdade condicional.