EFERio de Janeiro

O fotógrafo brasileiro Domingos Peixoto, que ganhou nesta sexta-feira o Prêmio Internacional Rei da Espanha por uma série de três fotos que retratam o momento em que um rojão atinge o cinegrafista Santiago Andrade durante um protesto, disse que sente um "grande respeito" pelo colega de profissão, morto no ano passado.

Em 6 de fevereito de 2014, Santiago foi atingido por um rojão durante um protesto no Rio de Janeiro e morreu três dias depois por causa dos ferimentos.

A série de três fotografias foi publicada no jornal "O Globo" com o título "Crime à liberdade de imprensa".

Domingos afirmou que foi uma "grande honra" receber o prêmio, mas frisou o "grande respeito" que sente pelo cinegrafista morto.

"Sou uma pessoa muito festeira, tudo o que ganho comemoro. Mas este prêmio será diferente, comemoro com muito respeito", disse Domingos para a Agência Efe.

O fotógrafo lembrou que no dia do protesto já tinha terminado de enviar para a redação do jornal uma boa quantidade de material sobre o protesto, ocorrido na Central do Brasil, mas depois decidiu voltar para a rua pois os distúrbios continuaram.

Peixoto viu então um jovem encapuzado colocando um rojão no chão, levantou sua câmera e captou o momento no qual o objeto atingiu a cabeça de Santiago.

"Quando vi a foto em minha máquina, senti que era outro carma muito pesado que vou levar por toda minha vida. É diferente de outras fotos de mortes que fiz em minha vida", relatou Domingos.

O Rei da Espanha é o sexto prêmio que Domingos Peixoto recebe pela foto do impacto do fogo de artifício na cabeça do cinegrafista da "Bandeirantes".

O júri destacou a habilidade do fotógrafo no exato momento da explosão do artefato que causou a morte de Santiago e, além disso, reconheceu o risco e a coragem dos jornalistas que em algumas ocasiões põem em perigo sua vida para realizar seu trabalho.

Domingos já havia recebido o prêmio Rei da Espanha em 2003, por uma foto intitulada "Retrato do desemprego", também publicada no "O Globo".

O prêmio, patrocinado pela empresa internacional de construção e concessões OHL, consiste em seis mil euros e uma escultura do artista Joaquín Vaquero Turcios.

Nesta 32ª edição do Rei da Espanha foram inscritos 20 trabalhos para concorrer ao prêmio de fotografia.