EFEWashington

Jean Kennedy Smith, última sobrevivente entre os irmãos dos ex-presidente dos Estados Unidos John Kennedy, assassinado em 1963, morreu em Manhattan, segundo confirmou nesta quinta-feira a filha dela Kym Smith.

A diplomata foi embaixadora americana em Dublin, na Irlanda na década de 1990 e contribuiu no processo que colocou fim à violência entre católicos e protestantes na vizinha Irlanda do Norte.

Nascida em 20 de fevereiro de 1928, era a oitava de nove filhos do embaixador Joseph Patrick Kennedy Sr. e de Rose Fitzgerald Kennedy. Além do ex-presidente John Kennedy, ela era irmã dos ex-senadores Robert F. e Ted Kennedy, entre outros.

Em 1993, depois de décadas dedicadas à filantropia, quando Jean Kennedy Smith tinha 65 anos, o então presidente Bill Clinton a designou como embaixadora em Dublin, em meio ao conflito armado na Irlanda do Norte.

Seis meses após a chegada à capital irlandesa e de uma contribuição pouco tradicional da embaixadora ao processo de paz, em 31 de agosto de 1994 foi declarado um cessar fogo entre católicos e protestantes.

A trégua durou até cerca de dois anos depois, devido a contínua exclusão do Sinn Fein das negociações. Kennedy Smith manteve diálogo com o chefe do Exército Republicado Irlandês (IRA), Joe Cahill, que levou a admissão do braço armado dos católicos e a restauração do cessar fogo.

Em abril de 1998, o Acordo de Belfast, assinado após negociações encabeçadas no lado americano pelo senador George Mitchell, encerrou a luta armada na Irlanda do Norte.