EFEPlaya del Carmen (México)

O Prêmio Platino do cinema ibero-americano homenageou nesta sexta-feira as carreiras do diretor Manolo Caro e da atriz Angélica Aragón, ambos mexicanos, com a entrega do Prêmio Xcaret.

Este prêmio leva o nome do parque ecoturístico e do hotel da Riviera Maya, no Caribe do México, que receberão neste domingo a cerimônia de entrega de prêmios às melhores produções ibero-americanas.

Ao receber o prêmio, o diretor da bem-sucedida série "A Casa das Flores" agradeceu o reconhecimento ao "caminho percorrido" durante sua carreira cinematográfica e fez votos para que no México "haja maior acesso para as gerações que vêm atrás".

Além disso, ele se mostrou emocionado por receber o prêmio na Riviera Maya, no estado de Quintana Roo, uma região que teve a oportunidade de conhecer quando era criança.

Caro, nascido em Guadalajara em 1985, comentou ainda que este será um final de semana "muito divertido" e agradeceu ao Prêmio Platino por "apoiar o que estamos fazendo", em referência ao desenvolvimento da indústria cinematográfica na América Latina, Espanha e Portugal.

Angélica Aragón (Cidade do México, 1953), atriz de cinema, teatro e televisão, também recebeu este prêmio de arte huichol e talhado à mão por artistas do estado de Guerrero.

A atriz celebrou a "quantidade de talento jovem" que há no México e no resto da Ibero-América e ressaltou que a região "deve projetar-se para o mundo através do cinema com vozes realizadas por jovens".

Além disso, se declarou "admiradora da cultura maia" e comemorou o fato de que na Riviera Maya, "onde a arte permeou durante séculos, continue sendo celebrada de maneira tão jovial a arte desta época, que é o nosso cinema".

Enrique Cerezo, produtor cinematográfico e um dos incentivadores do prêmio, lembrou que este é o segundo ano consecutivo em que o Prêmio Platino é acolhido pelo México, único país que o sediou duas vezes.

"Todos nós trabalhamos para que estes prêmios sejam um sucesso e todo mundo saia daqui muito contente", disse Cerezo durante um almoço com a imprensa em Xcaret.

A cerimônia, que neste domingo premiará o melhor filme, a melhor série de televisão e as melhores interpretações ibero-americanas, entre outros, contará com protagonistas do tamanho da espanhola Penélope Cruz e da mexicana Yalitza Aparicio, do oscarizado "Roma".

"Roma", aliás, parte como grande favorito ao concorrer a nove estatuetas, inclusive as de melhor filme ibero-americano de ficção, melhor direção e melhor roteiro.

Estes prêmios, impulsionados pela Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Audiovisuais (Egeda) da Espanha, junto com a Federação Ibero-Americana de Produtores Cinematográficos e Audiovisuais (Fipca), buscam promover o cinema ibero-americano.