EFENova York

Depois que o comissário da NBA, Adam Silver, declarou que custaria muito dinheiro montar toda a estrutura para o restante da temporada regular da liga americana de basquete, interrompida devido à pandemia da Covid-19, além dos playoffs, foi divulgado nesta quarta-feira que os gastos podem passar de US$ 150 milhões.

A "ESPN" americana foi quem divulgou os valores para que jogadores, integrantes de comissões técnicas e dirigentes sejam isolados no Walt Disney World Resort, em Orlando, no estado da Flórida.

A NBA decidiu que 22 equipes, com uma delegação de 35 pessoas cada, será isolada a partir da próxima semana em três resorts do complexo, que está fechado ao público.

Todas as atividades esportivas ocorrerão em sete quadras de treinamento, além dos três ginásios principais, onde serão disputados jogos durante a quarentena.

Os custos também envolvem refeições, testes diários de coronavírus e outros suportes médicos, segurança, transporte e entretenimento para mais de 1,5 mil pessoas durante o desenrolar do novo cronograma da competição. A programação estabelecida prevê com oito rodadas de temporada regular, um possível play-in e os playoffs.

"Entra em jogo que sentimos uma obrigação para com nosso esporte e a indústria de encontrar um novo normal", declarou Silver à revista "Time" nesta terça. "Não entra em jogo em termos de dólares e centavos porque, francamente, não é tão barato para nós jogarmos neste campus. É enormemente caro", completou.

Não está incluída na despesa a perda de receita com a venda de ingressos, estimada em US$ 720 milhões. Todos os jogos terão portões fechados, em uma medida para evitar a propagação do vírus SARS-CoV-2.

A liga projeta perder mais de US$ 1 bilhão em receita por causa do coronavírus, disseram fontes, mesmo antes de considerar o custo de terminar a temporada em Orlando.