EFEAssunção

O Palmeiras jogou para o gasto, mas deu grande passo nesta quinta-feira para avançar às quartas de final da Taça Libertadores, ao vencer o Cerro Porteño por 2 a 0, em pleno estádio La Olla Azulgrana, em Assunção, no Paraguai.

O grande nome da partida foi o atacante colombiano Miguel Borja, sempre muito contestado pela torcida, que balançou as redes duas vezes no segundo tempo, aos 2 e aos 25 minutos. O camisa 9, assim, chegou a oito gols na competição, ficando apenas um atrás do compatriota Wilson Morelo, do já eliminado Independiente Santa Fé.

Além da atuação decisiva do goleador, o jogo ficou marcado pelo baixo nível técnico, principalmente, na etapa inicial, em que os dois times mostraram pouca disposição de atacar. Depois do intervalo, a se faltou inspiração, ao menos, o Palmeiras conseguiu se impôr e arrancar vantagem na série eliminatória.

Com a vitória obtida hoje, os comandados por Luiz Felipe Scolari poderão perder até por um gol de diferença na partida de volta. Caso seja batido por 2 a 0, terá que definir a vaga nas quartas nos pênaltis. Qualquer outro revés selará a classificação do Cerro Porteño.

O reencontro entre as duas equipes acontecerá no dia 30 de agosto, no estádio Allianz Parque, em São Paulo. Vale lembrar que o vencedor desta série pega o time que avançar do confronto entre Corinthians e Colo-Colo, do Chile, que ontem levou a melhor na ida por 1 a 0, em casa.

O Palmeiras foi para o jogo de hoje sem dois importantes titulares, o lateral-direito Marcos Rocha e o atacante Willian, ambos lesionados. Com isso, Mayke e Hyoran ganharam oportunidade na equipe que iniciou a partida. No comando ofensivo, Borja ganhou disputa com Deyverson e começou jogando.

O duelo entre a primeira e a quarta melhor campanha da fase de grupos, Verdão e Cerro, respectivamente, começou sem fazer jus as expectativas. Os dois times erravam muitos passes e não conseguiam dar continuidade as ações no campo do adversário.

A equipe paulista chegou pela primeira vez ao ataque aos 14 minutos, em chute de longa distância de Moisés, que não chegou a levar muito perigo ao gol de Silva. Os donos da casa assustaram aos 29, em boa trama ofensiva, que teve Rodrigo Rojas recebendo na área e batendo com estilo, mas por cima do travessão de Weverton.

O Palmeiras só voltou a levar perigo aos 31 da etapa final, quando Dudu pegou uma sobra de bola na intermediária e arriscou bater de lá mesmo. O goleiro do Cerro conseguiu fazer a defesa sem dificuldades.

O segundo tempo, em apenas dois minutos, teve mais emoção do que toda a etapa inicial. O tempo foi o necessário para o Verdão conseguir abrir o placar. Após bola levantada na área por Dudu, Churín resvalou, Acosta não cortou e Borja apareceu no segundo pau para estufar a rede.

O Cerro tentou reagir e até chegou duas vezes antes do relógio marcar 5 minutos. Escobar e Novick tentaram finalizar, mas pararam em defesas tranquilas de Weverton. Aos 10, os jogadores da equipe anfitriã reclamaram de toque de mão na área de Mayke, lance que o árbitro argentino Fernando Rapallini considerou normal.

Tímido depois de abrir o placar, o Palmeiras se lançou ao ataque aos 25 e conseguiu ampliar. Primeiro, Diogo Barbosa disparou pela esquerda e fuzilou Silva, que fez ótima defesa. Moisés recuperou a bola no lado oposto do campo e deu passe na medida para Borja fuzilar para a rede.

Mais organizado, o time de Felipão conseguiu controlar o adversário, que não teve forças para esboçar uma reação. No fim, o Verdão fez bem o trabalho de esperar o tempo passar, para sair de campo com ótima vitória e a sensação de classificação quase assegurada.

Ficha técnica:.

Cerro Porteño: Silva; Raúl Cáceres, Marcos Cáceres, Escobar e Acosta (Arzamendia); Palau, Rodrigo Rojas (Haedo Valdez), Jorge Rojas (Benítez), Novick e Ruiz; Churín. Técnico: Luis Zubeldía.

Palmeiras: Weverton; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Moisés (Thiago Santos); Dudu, Hyoran (Jean) e Borja (Deyverson). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Árbitro: Fernando Rapallini (Argentina), auxiliado pelos compatriotas Juan Belatti e Gabriel Chade.

Gols: Borja (2) (Palmeiras).

Cartões amarelos: Rodrigo Rojas, Palau e Churín (Cerro Porteño); Moisés e Dudu (Palmeiras).

Estádio: La Olla Azulgrana, em Assunção (Paraguai).