EFETóquio

A quarta-feira nos Jogos Olímpicos de Tóquio começou com vitórias importantes do Brasil entre as duplas femininas do tênis, que ficou perto de medalha, e no futebol masculino, que avançou às quartas de final, mas sem pódios na natação e no judô - com direito a uma eliminação polêmica de Maria Portela.

Laura Pigossi e Luisa Stefani, que só conseguiram vaga para ir ao Japão duas semanas antes do início do torneio, a partir da desistência de outras atletas, deram mais um passo na ótima campanha e eliminaram hoje as americanas Bethanie Mattek-Sands e Jessica Pegula, que começaram como cabeças de chave número 3.

As brasileiras levaram a melhor na partida e ganharam de virada, por 2 sets a 1, com parciais de 1-6, 6-3 e 10-6, avançando para duelo contra as suíças Belinda Bencic e Viktorija Golubic.

A outra semifinal envolve as tchecas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova, cabeças de chave número 1, e as russas Elena Vesnina e Veronika Kudermetova.

SEGUNDA VITÓRIA NO FUTEBOL.

No futebol masculino, a seleção brasileira chegou a levar susto, mas venceu a Arábia Saudita por 3 a 1, com dois gols na reta final da partida, chegou a sete pontos e garantiu não só classificação às quartas de final do torneio olímpico, como a primeira colocação do grupo D.

Assim como na estreia, Richarlison foi o destaque brasileiro. Ele balançou as redes duas vezes, aos 33 e aos 46 minutos do segundo tempo. O também atacante Matheus Cunha abriu o placar aos 14 da etapa inicial.

Os sauditas, que entraram em campo eliminados, chegaram a empatar a partida, com um gol do zagueiro Abdulelah Al-Amri aos 27 do primeiro tempo.

Na outra partida do dia pelo grupo, a Costa do Marfim chegou a cinco pontos e se classificou em segundo, ao empatar com a Alemanha em 1 a 1.

Nas quartas de final, os comandados por André Jardine enfrentarão o vice-líder do grupo C, que será definido hoje e está totalmente aberto, com Espanha na liderança (quatro pontos), Austrália em segundo (três), Argentina em terceiro (três) e Egito na lanterna (um).

SEM MEDALHAS NO JUDÔ E NATAÇÃO.

No judô, o Brasil ficou sem medalhas em um dia de muitos protestos contra a arbitragem durante a segunda luta de Maria Portela na categoria até 70 kg para mulheres.

A gaúcha passou na estreia pela afegã Nigara Shaheen, do Time Olímpico de Refugiados, e depois encarou a russa Madina Taimazova. O confronto foi duríssimo, terminou empatado nos primeiros cinco minutos e foi para o golden score. Em busca do ponto decisivo, Portela encaixou um golpe que fez a adversária encostar parte das costas no chão, o que configuraria um wazari. Entretanto, o árbitro nada marcou, assim como a revisão de vídeo.

E a polêmica ganharia contornos mais dramáticos quando, com as duas judocas com dois shidos cada e muito cansadas, a brasileira recebeu punição por falta de combatividade, determinando a derrota dela e a eliminação nos Jogos.

No masculino, Rafael Macedo não conseguiu avançar da primeira rodada da competição para atletas com mais de 90 kg, ao perder por ippon para o cazaque Islam Bozbayev.

Na natação, a maior esperança de medalha para o Brasil no dia era Léo de Deus, que disputou a final dos 200m borboleta após ter obtido o melhor tempo da carreira nas semifinais, em que foi segundo no geral. O sul-mato-grossense, no entanto, acabou em sexto na prova que definiu os medalhistas.

O ouro ficou com o principal favorito na disputa, o húngaro Kristof Milak, que ainda quebrou o recorde olímpico, que era do americano Michael Phelps. A prata foi para o japonês Tomoru Honda, e o bronze para o italiano Federico Burdisso.

No revezamento 4x200m livre, com expectativa mais baixa em relação a pódio, o Brasil acabou em oitavo, com time formado por Fernando Scheffer - bronze nos 200m individual -, Murilo Sartori, Breno Correia e Luiz Altamir. A Grã-Bretanha venceu, formando pódio com o time russo e a Austrália, segundo e terceiro colocados, respectivamente.

OUTROS RESULTADOS.

Ainda nesta quarta-feira, Ana Sátila seguiu mostrando bom desempenho em Tóquio e se garantiu nas semifinais do C1 da canoagem, ao obter o quarto melhor tempo geral da fase eliminatória da competição.

Pepê Gonçalves foi outro representante brasileiro que garantiu um lugar em semifinal da modalidade, no K1, ao terminar em décimo no geral.

No boxe, Keno Marley deu mais um passo para chegar ao pódio na categoria meio-pesado (até 81kg) ao superar o chinês Daxiang Chen em combate definido pela interrupção da arbitragem, depois que o baiano havia obtido melhor desempenho nos dois primeiros rounds.

No tiro com arco, Marcus Vinícius D'Almeida se classificou às oitavas de final graças a duas vitórias por 7 a 1, a primeira sobre o britânico Patrick Huston e a segunda sobre o holandês Sjef van den Berg.

Nas areias do Parque Shiokaze, as brasileiras Ana Patrícia e Rebecca viram a situação no torneio olímpico se complicar, com a derrota para a dupla da Letônia formada por Tina Graudina e Anastasija Kravcenoka por 2 sets a 1, com parciais de 21-15, 12-21 e 15-12.

BILES DESISTE DE FINAL INDIVIDUAL.

Após abandonar a final por equipes, a ginasta americana Simone Biles anunciou hoje a desistência da disputa por medalhas no individual geral, em que defenderia o ouro conquistado em 2016, no Rio de Janeiro.

"Após uma anterior avaliação médica, Simone se retira da final individual geral dos Jogos de Tóquio pra se concentrar em sua saúde mental", apontou comunicado da US Gymnastics, a federação dos Estados Unidos da modalidade.

Segundo a entidade, Biles - que será substituída pela compatriota Jade Carey, será acompanhada diariamente, para que seja definida a participação nas outras quatro disputas de medalhas individuais marcadas para a próxima semana.