EFERedação Central

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, lamentou nesta quarta-feira a morte de Diego Maradona e enalteceu o papel do ídolo argentino dentro do futebol.

"Hoje é um dia incrivelmente triste. Nosso Diego nos deixou. Nossos corações - de todos nós que o amávamos por como ele era, e pelo que ele representava - pararam de bater por um momento. Nosso silêncio, nossas lágrimas, nossa dor, é a única coisa que estamos sentindo no fundo de nós neste momento", afirmou Infantino em nota emitida pela federação internacional.

Maradona completou 60 anos em 30 de outubro e três dias depois precisou ser hospitalizado com uma lesão na cabeça, que demandou uma cirurgia. Após dez dias de internação, ele vinha se recuperando em casa.

"Eu sempre o disse e posso repetir agora, mais convencido do que nunca: o que Diego fez pelo futebol, por fazer todos nós nos apaixonarmos por este belo jogo, é único. É, como ele é, simplesmente imenso... Diego merece nossa eterna gratidão por isso, por ter nos surpreendido com seu incrível talento e sim, por ter sido tão único: por ter sido Diego Armando Maradona, uma lenda, um herói, e... um homem", enalteceu o dirigente suíço.

O craque argentino sempre foi um crítico da Fifa, mas isso não impediu que Infantino se declarasse para 'El Pibe', que vinha trabalhando como técnico do Gimnasia La Plata.

"Diego pode ser eterno agora, mas para sempre Diego também terá um lugar de destaque na incrível história de todos os contos de fadas do futebol. Nosso profundo sentimento vai para sua família e amigos neste momento difícil. Descanse em paz, querido Diego. Nós te amamos", finalizou.