EFEWashington

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira que permitirá, a partir do início de novembro, a entrada de viajantes internacionais ao país, inclusive os de Brasil, China, Reino Unido e União Europeia, que estejam completamente vacinados contra a covid-19.

Os viajantes devem apresentar provas de vacinação e um teste negativo três dias antes da viagem, disse Jeff Zients, chefe da equipe de resposta à covid-19 da Casa Branca, em entrevista coletiva virtual.

"Este novo sistema de viagens internacionais segue as recomendações da ciência para manter as viagens aéreas internacionais para os EUA seguras, exigindo que os cidadãos estrangeiros sejam totalmente vacinados para voar para os EUA, e implementa protocolos de segurança adicionais rigorosos", comentou Zients.

Estas restrições de viagem, inicialmente implementadas pelo ex-presidente Donald Trump (2017-2021), estavam em vigor desde o início da pandemia, em 2020, e foram mantidas pelo atual mandatário, Joe Biden, que tomou posse em janeiro deste ano.

Os viajantes internacionais totalmente vacinados não serão colocados em quarentena ao chegarem ao solo americano, mas serão obrigados a fornecer detalhes de contato para facilitar o rastreamento em caso de contágio.

Zients enfatizou, no entanto, que os americanos não vacinados serão obrigados a testar negativo um dia antes da partida e a serem novamente testados nos EUA.

As longas restrições de viagem do governo americano foram criticadas pelos parceiros europeus, onde as taxas de vacinação são significativamente mais elevadas do que nos EUA.