EFERoma

Autoridades da Itália investigam se o exame realizado pelo atacante uruguaio Luis Suárez para obter a cidadania italiana foi armado, de modo que o jogador já soubesse com antecedência as perguntas e os assuntos abordados.

A investigação está a cargo da Guarda de Finanças e do Ministério Público de Perugia. Segundo as primeiras informações, Suárez pode ter tido ajuda para passar no exame e até mesmo recebido uma pontuação antes de responder as perfuntas, de acordo com um comunicado da procuradoria.

O exame foi realizado na Universidade para Estrangeiros de Perugia e, agora, estão sendo investigados a reitora da instituição, Giuliana Grego Bolli; o diretor, Simone Olivieri; os profesores Lorenzo Rocca e Stefania Spina; e a funcionária Cinzia Camagna. Suárez não é alvo da investigação.

De acordo com a transcrição de conversas interceptadas pelo Ministério Público de Perugia, Stefania Spina, encarregada de preparar o exame, reconhece que o professor Lorenzo Rocca havia "feito uma simulação" com Suárez e combinado as perguntas.

Spina também admite que o jogador do Barcelona "não fala uma palavra" de italiano, "não conjuga verbos" e "fala no infinitivo", motivo pelo qual "passar em um exame de duas horas dessa forma não é fácil".

Nos áudios, a professora garante que Suárez "passará" na prova "porque, ganhando um salário de 10 milhões de euros por temporada, não pode reprovar por não ter um nível B1", apesar de "não chegar nem a um A1".

Em outra conversa, Rocca diz que "Suárez está memorizando o controle" e não terá problemas na prova oral porque essa parte está "na comissão", assumindo "a responsabilidade da nota", mas que teme que algum jornalista faça perguntas em italiano e o uruguaio "entre em crise".

A Universidade de Perugia reiterou a correção e transparência dos trâmites seguidos para o exame do atacante.

No dia 1º de setembro, diversos jornais italianos noticiaram que Suárez poderia estar negociando com a Juventus, para caso consiga um acordo favorável para sair do Barcelona, com o qual tem contrato até 2021.