EFEViena

A presidente do Festival de Salzburgo, Helga Rabl-Stadler, apoiou nesta terça-feira Plácido Domingo, acusado por nove mulheres de assédio sexual, e confirmou que o tenor espanhol atuará como estava previsto no dia 25 de agosto.

"Conheço Plácido Domingo há mais de 25 anos. Desde o princípio me impressionou, junto com sua capacidade artística, os seus modos respeitosos com todos os trabalhadores do Festival", afirmou Rabl-Stadler em comunicado enviado à Agência Efe.

A presidente disse que Plácido Domingo "conhece todos os nomes, e agradece a cada pequena ajuda".

O tenor de 78 anos foi acusado nesta terça-feira de assédio sexual por nove mulheres (oito cantores e uma dançarina) nos últimos 30 anos, denúncia publicada pela Agência Association Press (AP).

A presidente justificou a decisão de manter as apresentações porque para ela sempre rege o princípio de "In dubio pro reo", o princípio que diante da falta de provas se deve favorecer o acusado.

"Considero objetivamente incorreto e humanamente irresponsável fazer um julgamento definitivo neste momento e adotar decisões sobre essa base", indicou a responsável do Festival sobre a atuação de Domingo.

O tenor respondeu a estas acusações sublinhando que "sempre" acreditou que todas suas "relações" com mulheres foram "pactuadas" e considerou "inexatas" as acusações contra ele.

"Reconheço que as normas e padrões da atualidade são muito diferentes hoje do que eram no passado", acrescentou o artista.