EFELa Paz

Os incêndios na Bolívia já afetaram mais de 1,8 milhão de hectares de florestas e pastagens, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo governo boliviano, após uma reunião com o corpo diplomático em La Paz.

O fogo arrasou com 758.442 hectares de floresta e 1.068.847 de pastagens, segundo dados divulgados pelo ministro das Relações Exteriores boliviano, Diego Pary Rodríguez, o que soma 1.827.289 hectares.

O chanceler declarou à imprensa que os focos de incêndio caíram para 634 durante esta quinta-feira, longe dos mais de 8,4 mil registrados em meados de agosto.

Pary destacou a mobilização nas regiões afetadas, especialmente a Chiquitania, de quatro comandos terrestres das Forças Armadas da Bolívia e de veículos aéreos de diversos países, contratados pelo governo boliviano ou fornecidos pela cooperação internacional.

O ministro boliviano agradeceu o apoio oferecido por países da América, da Europa e da Ásia, além de organizações internacionais.

Cerca de 5.500 homens, 193 veículos, 25 ambulâncias e 19 aeronaves, entre outros, foram mobilizados com uma contribuição de US$ 15 milhões do governo boliviano e outros US$ 2,2 milhões de ajuda internacional, destacou Pary.

O chanceler ressaltou que a prioridade atual é apagar os fogos, para depois abordar um plano de recuperação, que já é elaborado com o apoio de países como o Canadá.

De acordo com Pary, é necessário um equilíbrio entre a exploração agrária e a conservação do entorno natural nestas regiões. Além disso, lembrou que o presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou que haverá "uma pausa ambiental" e que já conta com uma declaração de emergência nacional.

A Chiquitania, no sudeste da Bolívia, é uma área de transição entre a região do Chaco e a Amazônia com espaços naturais e de uso agrário.