EFERecife

O governo estadual da Bahia e o Instituto Cervantes assinaram nesta quarta-feira um acordo para implementar o ensino em espanhol como segundo idioma estrangeiro na região Nordeste e que beneficiará, em sua fase inicial, 40 mil alunos da rede pública.

O acordo, o primeiro deste tipo no país, foi assinado pelo diretor global do Instituto Cervantes, Luis García Montero, que está de visita no Brasil, e o secretário de Educação da Bahia, Danilo de Melo.

A aproximação com a Bahia começou em 2021, quando o governador, Rui Costa, se interessou pela plataforma Aula Virtual Español, conhecida como AVE Global e que foi desenvolvida pelo instituto, com fortalecimento da mesma durante a pandemia de covid-19, segundo explicou à Agência Efe o cônsul da Espanha em Salvador, Carlos Pérez-Desoy Fages.

No Rio de Janeiro, onde o Instituto Cervantes recebeu o acervo de 8 mil livros da biblioteca particular da premiada escritora Nélida Piñón, García Montero defendeu que o Brasil analise a possibilidade de reimplantar a chamada Lei do Espanhol, que obrigava as escolas a oferecer o castelhano como segundo idioma.

A Lei do Espanhol foi implantada em 2005, pelo governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e derrubada em 2017, por Michel Temer, como parte de uma reforma educacional que só preservou o inglês como obrigatório na grade escolar e deixou as demais línguas estrangeiras como facultativas.

Desde então, a obrigatoriedade das escolas de oferecer espanhol ficou a critério dos governos regionais, e cinco deles (Paraná, Amazonas, Rio Grande do Sul, Rondônia e Paraíba), a maioria na fronteira com países de língua espanhola, já estabeleceram seu ensino.

"Este acordo demonstra que, apesar da derrogação da chamada Lei do Espanhol, o interesse pelo aprendizado da língua espanhola no Brasil continua e é muito alto", comentou o cônsul, para quem a plataforma AVE Global "permite contornar muitas das dificuldades" da iniciativa governamental, "como a falta de pessoal docente".

O diretor do Instituto Cervantes em Salvador, Daniel Gallego Arcas, disse à Efe que o acordo assinado - que deverá ser formalizado nos próximos dias - é o primeiro passo para um convênio maior, no qual é contemplada a capacitação de professores e orientadores amparados por uma nova lei regional de ensino.

García Montero reinaugurou em Salvador a biblioteca do Instituto Cervantes, que com 14 mil libros passará a se chamar a partir de agora "José García Nieto", em homenagem ao poeta espanhol (1914-2001), vencedor do Prêmio Cervantes em 1996 e cuja filha Paloma esteve presente no ato. EFE