EFERedação Central

Duas vezes vice-campeão do torneio nesta década, o Atlético de Madrid foi eliminado nas quartas de final da Liga dos Campeões nesta quinta-feira pelo RB Leipzig, que venceu por 2 a 1 no estádio José Alvalade, em Lisboa, e se classificou para enfrentar o Paris Saint-Germain na luta por uma vaga na decisão.

Fundado há apenas 11 anos, o Leipzig faz a sua segunda participação na Champions, duas temporadas após a estreia, na qual caiu ainda na fase de grupos. No papel, o favoritismo era do adversário, que já disputou a final três vezes, em 1974, 2015 e 2016, e de 2010 para cá faturou três vezes a Liga Europa, segundo mais importante torneio interclubes da Uefa.

Entretanto, a equipe do leste alemão não se intimidou e saiu à frente no placar, com gol de Dani Olmo. João Félix ainda empatou para o Atlético, mas Adams marcou nos instantes finais e selou a classificação do time dirigido pelo jovem técnico Julian Nagelsmann.

Na próxima terça-feira, uma equipe se classificará para a final da Liga dos Campeões de forma inédita. PSG e Leipzig medirão forças no Estádio da Luz, também em Lisboa, para definir quem realizará o feito. Ontem, o atual tricampeão francês avançou ao derrotar a Atalanta também por 2 a 1.

A principal ausência do representante da Alemanha no jogo desta quarta se deveu não a lesão ou suspensão, mas por fim de contrato. O atacante Werner foi negociado com o Chelsea e, como não houve acordo entre as partes para uma extensão do vínculo até o final da Champions, o alemão não pôde ser aproveitado.

Pelos 'Colchoneros', o lateral-direito Vrsaljko e o meia-atacante Correa deram positivo em teste para o novo coronavírus e não puderam atuar, assim como o volante Partey, machucado.

Logo aos três minutos de bola rolando, Halstenberg aproveitou indefinição da defesa 'rojiblanca' e, com espaço, chutou de primeira, mas encobriu o travessão. Já o Atlético incomodou pela primeira vez aos 12, com Carrasco, que recebeu de Renan Lodi e bateu forte, obrigando o goleiro Gulácsi a fazer grande intervenção.

A partir de então, a etapa inicial ficou truncada e sem chances mais claras para abertura do placar. O lance que chamou mais atenção, não pela plasticidade, mas pela violência, foi um choque de cabeça entre Savic e Halstenberg. Os dois disputaram a bola pelo alto, aos 34 minutos, e tiveram sangramento no rosto, mas conseguiram continuar no jogo.

Se o primeiro tempo não foi de grandes emoções, o segundo começou com gol. Logo aos quatro minutos, a bola foi de pé em pé no ataque do Leipzig até Sabitzer, que cruzou para Dani Olmo cabecear no canto direito e fazer 1 a 0.

Em desvantagem, o técnico Diego Simeone lançou mão de João Félix, e o prodígio não demorou a se destacar. Aos 25, ele tabelou com Diego Costa e sofreu pênalti de Klostermann. O próprio português cobrou e deixou tudo igual.

A partir de então, o Atlético teve mais a bola, mas criou pouco e o melhor que fez foi, com Carrasco, acertar uma finalização em cima da marcação, aos 34. Mais eficiente, o Leipzig conquistou a classificação com um gol aos 42 minutos, quando Angeliño cruzou da ponta esquerda para trás, Adams dominou e bateu. A bola desviou em Savic e entrou.

Nos instantes finais, a equipe madrilenha foi para cima com tudo, e até o goleiro Oblak se arriscou na área. Contudo, o Leipzig resistiu e se colocou entre os quatro melhores da Champions.

Ficha técnica:.

RB Leipzig: Gulácsi; Halstenberg, Klostermann, Upamecano e Angeliño; Laimer (Adams), Sabitzer (Mukiele) e Kampl; Nkunku (Haidara), Olmo (Schick) e Poulsen. Técnico: Julian Nagelsmann.

Atlético de Madrid: Oblak; Trippier, Giménez, Savic e Renan Lodi; Herrera (João Félix), Saúl, Carrasco, Koke (Felipe) e Llorente; Diego Costa (Morata). Técnico: Diego Simeone.

Árbitro: Szymon Marciniak (Polônia), auxiliado pelos compatriotas Pawel Sokolnicki e Tomasz Listkiewicz.

Cartões amarelos: Klostermann, Kampl e Haidara (RB Leipzig); Renan Lodi e Giménez (Atlético de Madrid).

Gols: Olmo e Adams (RB Leipzig); João Félix (Atlético de Madrid).

Estádio: José Alvalade, em Lisboa (Portugal).