EFEPorto Alegre

Pressionada pelo risco de deixar a Copa América ainda na fase de grupos pela primeira vez desde 1983, a Argentina jogou apenas "para o gasto", mas se classificou para as quartas de final neste domingo, ao vencer o Catar por 2 a 0 na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

O primeiro gol da partida na capital gaúcha foi marcado logo aos três minutos de bola rolando. Quem balançou a rede foi Lautaro Martínez, depois de bobeada do sistema defensivo do atual campeão asiático. Nos instantes finais, Agüero ampliou.

O resultado deixou a bicampeã mundial - que não conquista um título com a equipe principal desde a Copa América de 1993 - na segunda posição do grupo B, com quatro pontos, atrás da Colômbia, que derrotou o Paraguai por 1 a 0 em Salvador e foi a nove. A 'Albirroja' somou dois e depende dos resultados do grupo C para tentar passar entre os melhores terceiros. Com um ponto, o Catar está eliminado.

A próxima adversária de Lionel Messi e companhia é a Venezuela, vice-líder do grupo A, atrás do Brasil. O duelo, marcado para a próxima sexta-feira no Maracanã, será uma revanche das quartas de 2016, em que a 'Albiceleste' goleou a 'Vinotinto' por 4 a 1.

O Catar não pôde contar com o zagueiro Fadalla nem com o atacante Madibo, que, suspensos pelo segundo cartão amarelo, deram lugar a Al-Hajri e Boudiaf, respectivamente. Na Argentina, o lateral-direito Saravia e o atacante Agüero, barrados no empate de 1 a 1 com o Paraguai, na última quarta, retornaram, e Foyth ganhou a titularidade na parte central da defesa.

Apesar do nervosismo inicial pelo risco de ser eliminada, a 'Albiceleste' se beneficiou de uma falha da zaga adversária e fez 1 a 0 logo aos três minutos de partida. Al-Rawi saiu jogando mal e presenteou Martínez, que ajeitou e chutou no canto para abrir o placar.

A Argentina manteve o embalo em um primeiro momento e teve oportunidade com Lo Celso, que emendou de primeira e isolou, aos 12. Porém, aos poucos, o Catar foi se soltando e incomodou aos 18, quando Ró-Ró encarou a marcação pela direita e cruzou por baixo para Ali Abdulla, que foi travado.

Agüero respondeu para a equipe de Lionel Scaloni três minutos depois, ao receber ótima enfiada de Messi por baixo. O centroavante do Manchester City teve tempo para ajeitar o corpo e bater de esquerda, mas errou o alvo.

Aos 31, um susto para a torcida argentina. Ró-Ró recebeu lançamento, se antecipou a Tagliafico no lado direito da área e cortou o rival, mas adiantou demais. Por centímetros, o lateral da equipe sul-americana não cometeu pênalti.

O segundo gol argentino quase veio aos 38, em novo presente catariano. De Paul desceu pela direita e levantou na medida para Martínez, que cabeceou no meio do gol. O goleiro Al-Sheeb soltou, o próprio Martínez e Agüero tentaram no rebote, mas a defesa salvou.

Ainda antes do intervalo, aos 45, o Catar acertou a trave. Foyth comemeteu falta a um passo da área pela esquerda, Al-Hajri cobrou e carimbou o poste direito.

A segunda etapa começou morna, com uma finalização fraca de cada lado. Agüero chutou da pequena área aos três, e Mohammed concluiu aos sete, mas nos dois casos os goleiros defenderam sem problemas.

Depois dos 15 minutos, a Argentina esboçou uma pressão e esteve perto do segundo aos 16, em cobrança de escanteio fechada pela direita, mas o "tiro" de cabeça de Agüero parou na trave. 'Kun' incomodou de novo aos 21, ao cortar para o pé direito e encher o pé, mas Al-Sheeb pegou.

O nível só caía, e até Messi se "contaminou". Aos 28, o cinco vezes melhor do mundo recebeu com açúcar e afeto perto da marca do pênalti, mas pegou muito embaixo da bola e isolou.

Embora não conseguisse acertar muitas trocas de passe e falhasse na criação, a 'Albiceleste' fez 2 a 0 aos 36 minutos. Agüero foi acionado pela direita, disparou com todo espaço do mundo e concluiu no contrapé do goleiro, que até desviou, mas não evitou que a bola entrasse.

Ficha técnica:.

Catar: Al-Sheeb; Ró-Ró (Khaleefa), Al-Rawi, Al-Hajri (Alahrak) e Khoukhi; Mohammed, Salman, Boudiaf e Al-Haydos; Afif e Ali Abdulla. Técnico: Félix Sánchez.

Argentina: Armani; Saravia, Otamendi, Foyth (Pezzella) e Tagliafico; Paredes, Lo Celso (Acuña) e De Paul; Messi, Martínez (Dybala) e Agüero. Técnico: Lionel Scaloni.

Árbitro: Julio Bascuñán (Chile), auxiliado pelos compatriotas Claudio Ríos e Christian Schiemann.

Cartões amarelos: Ali Abdulla, Boudiaf e Alahrak (Catar); Lo Celso e Foyth (Argenina).

Gols: Martínez e Agüero (Argentina).

Estádio: Arena do Grêmio, em Porto Alegre.