EFECidade do México

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, anunciou nesta sexta-feira que oferecerá 4 mil empregos na fronteira sul a migrantes da América Central que cruzam a Guatemala por caravana e que, segundo se espera, cruzará o país neste fim de semana.

"Temos mais de 4 mil empregos, lá, na fronteira sul, disponíveis. É claro, (também oferecemos) abrigos e assistência médica, tudo. Mas o trabalho é em nosso país. Nós oferecemos isso e o mesmo para os nossos cidadãos", afirmou o presidente, durante conferência no Palácio Nacional.

Ontem, a Guatemala informou a passagem de mais de 2 mil migrantes hondurenhos, membros de uma nova caravana com destino aos Estados Unidos, passaram nos últimos dois dias por dois postos de fronteira.

O governo mexicano afirmou que entre 2,5 mil e 3 mil pessoas de Honduras e El Salvador que "vêm de caravana", disse López Obrador.

"Alguns querem entrar por Tapachula (Chiapas) e outros por El Ceibo, Tenosique", no estado de Tabasco, sudeste do país, disse o presidente.

Ele então lhes ofereceu emprego: "Existe uma maneira de eles terem trabalho, meu ideal é o pleno emprego, trabalho para todos".

Com esse novo plano de oferecer trabalho aos migrantes, o governo mexicano procuraria retardar sua jornada rumo aos EUA.

O Ministério do Interior (Segob) emitiu um boletim ontem para informar que, em uma reunião entre ministérios, foi estabelecida uma mesa de trabalho para a atenção dos migrantes hondurenhos.

Nos últimos dias, Olga Sánchez Cordero, secretária do Segob, disse que não serão concedidos vistos para os migrantes transitem regularmente pelo país, mas serão atendidos sempre que solicitarem asilo ou abrigo para permanecer no território mexicano.

Essa nova caravana de migrantes pode comprometer as relações entre a América Central e o México com os Estados Unidos.

Existe a possibilidade de que nos próximos dias uma nova caravana deixe Honduras, como foi refletido nas redes sociais.