EFEWashington

O ex-presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) Paul Volcker, que realizou uma forte alta das taxas de juros para controlar a inflação na década de 80, morreu aos 92 anos devido a complicações relacionadas a um câncer de próstata, informou a família nesta segunda-feira.

Volcker foi presidente do banco central entre 1979 e 1987, nos governos de dois presidentes: o democrata Jimmy Carter, por quem foi nomeado, e o republicano Ronald Reagan, que renovou seu mandato.

Natural de Cape May, no estado de Nova Jersey, Volcker é lembrado pela problemática situação econômica vivida pelos EUA quando chegou ao Fed. Ele foi o responsável por subir as taxas de juros acima de 20% para combater a alta inflação, que alcançou o patamar de 14,8% em março de 1980.

Embora tenha conseguido controlar o aumento dos preços, considerada sua grande conquista, o ajuste monetário provocou uma recessão de curto prazo no início da década de 1980.

"Sem sua ousada mudança na política monetária e sua determinação em mantê-la durante vários anos dolorosos, a economia dos EUA teria continuado sua espiral de baixa. Por ter revertido as políticas erradas dos antecessores, Volcker estabeleceu as bases para as longas expansões econômicas de 1980 e 1990", disse William Poole, ex-presidente do Fed de St. Louis, em homenagem de 2005 exibida pela "CNBC".

Após sair do Fed, Volcker seguiu para o setor privado e depois retornou à política pública como presidente do Conselho Consultivo de Recuperação Econômica entre 2009 e 2011, com o presidente Barack Obama.

Antes do Federal Reserve, trabalhou no Departamento do Tesouro sob o comando de Richard Nixon, e esteve anteriormente no Fed de Nova York.