EFEBerlim

As autoridades da Baviera, no sul da Alemanha, anunciaram nesta segunda-feira o cancelamento pelo segundo ano consecutivo da Oktoberfest, o maior festival de cerveja do mundo, devido à pandemia da Covid-19, que seria realizado entre 18 de setembro e 4 de outubro em Munique.

Em entrevista coletiva hoje, o chefe do Governo da Baviera, Horst Söder, anunciou que, juntamente com as autoridades das cidades que acolhem as principais festas populares deste estado federado, foi tomada a decisão "unânime" de não realizar o evento este ano.

Segundo Söder, a situação é "muito incerta" e tendo em conta os compromissos financeiros envolvidos em uma festa popular de grandes dimensões, cancelá-la posteriormente acarretaria um grande prejuízo econômico.

No caso da Oktoberfest, provavelmente "a festa popular mais global e o maior cartão de visita da Baviera", a "marca" pode ser prejudicada se o evento for realizado sob inúmeras condições ou se transformar em uma celebração de contágio múltiplo.

Além disso, soma-se "o perigo de uma situação caótica" nas grandes tendas, onde é praticamente impossível manter distância, acrescentou.

"A Oktoberfest vai ser realizada novamente, em grande estilo, mas não este ano", frisou, completando em tom de brincadeira que, talvez na próxima edição, em 2022, "com a cerveja mais barata".

O prefeito de Munique, Dieter Reiter, lamentou o cancelamento da Oktoberfest, que além de ter um impacto econômico para aqueles que trabalham nesta festa, é uma "tremenda tristeza" para "os muitos milhões de fãs".

Ele lembrou ainda que com um faturamento de 1,2 milhão de euros o fator econômico da Oktoberfest "não é desprezível".

Já no ano passado, as autoridades bávaras foram obrigadas a anunciar a suspensão da Oktoberfest-2020 devido à pandemia.