EFEParis

O Olympique de Marseille saiu nesta segunda-feira em apoio ao zagueiro espanhol Álvaro González, acusado pelo atacante Neymar, do Paris Saint-Germain, de insultos racistas durante a partida entre as duas equipes, disputada ontem, pela terceira rodada do Campeonato Francês.

"Álvaro González não é racista. Ele nos mostrou isso em seu comportamento diário desde sua chegada ao clube, e seus companheiros de equipe já o afirmaram", afirmou o clube de Marselha em comunicado, no qual, no entanto, em momento algum negou as supostas ofensas.

A briga entre os dois jogadores aconteceu ontem no estádio Velodrome, durante a vitória do Olympique sobre o PSG por 1 a 0, a primeira dos donos da casa sobre o atual tricampeão francês desde 2011. Por recomendação do VAR, o árbitro reviu uma agressão do brasileiro ao espanhol e o expulsou, mas depois do jogo Neymar usou as redes sociais para dizer que foi chamado de "macaco filho da p..." pelo adversário.

O clube de Marselha garantiu na nota estar disposto a cooperar com a comissão disciplinar da Liga de Futebol Profissional, responsável pelo Campeonato Francês, na investigação sobre o caso, descrito no documento como grave.

O texto ainda condena "a difusão de número de telefones particulares de Álvaro González e seu entorno na imprensa e nas redes sociais brasileiras". Segundo o Olympique, o jogador foi ameaçado de morte.

Antes que o clube intercedesse em seu nome, o próprio zagueiro já havia negado ter tido qualquer comportamento racista. "Não há lugar para o racismo. Uma carreira limpa com muitos colegas e amigos no dia a dia", declarou.

A LFP se reunirá nesta quarta-feira para definir a situação de Neymar e dos outros quatro jogadores expulsos no clássico: Kurzawa e Paredes pelo PSG, e Amaví e Benedetto pelo Olympique. Ainda não foi confirmado se a acusação de racismo será abordada.