EFENairóbi

A África, que tem cerca de 1,3 bilhão de habitantes, administrou apenas 11 milhões de vacinas contra a Covid-19, informou nesta quarta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS), alertando sobre as "desigualdades" existentes no acesso ao medicamento.

"Das 548 milhões de doses da vacina contra Covid-19 administradas em todo o mundo, apenas 11 milhões de doses, ou seja, 2% dos estoques distribuídos, foram administradas no continente africano, onde vive quase 17% da população mundial", disse a diretora regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti.

Em mensagem divulgada por ocasião do Dia Mundial da Saúde, que é celebrado hoje, Moeti salientou que a pandemia do coronavírus destacou as "desigualdades existentes entre os países".

"Os países africanos, enfrentando a escassez de suprimentos essenciais, estão atrasados no acesso aos kits de teste para Covid-19, equipamento de proteção individual e agora acesso às vacinas", lamentou a médica botsuanesa.

No futuro - disse ela - os líderes africanos devem trabalhar em sinergia, em um espírito de solidariedade internacional, para acabar com as desigualdades nos seus próprios países e em todo o continente.

"Com relação às vacinas contra Covid-19, exorto as empresas farmacêuticas a aumentar a produção para superar a escassez de oferta. Também apelamos aos países ricos a compartilhar suas doses, a fim de proteger os grupos mais vulneráveis de todos os países, salvar vidas e superar mais rapidamente essa crise global", disse Moeti.

Até o momento, o continente registou cerca de 4,3 milhões de casos da doença, dos quais pouco mais de 114,3 mil terminaram em mortes e cerca de 3,8 milhões de pacientes tiveram alta, de acordo com os últimos dados publicados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças da África (CDC África).