EFEGenebra

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse sexta-feira, diante do receio de que os Jogos Olímpicos de Tóquio sejam afetados pela atual epidemia do coronavírus, que oferecerá conselhos aos organizadores do evento esportivo, mas sem pressionar por seu cancelamento.

"Não nos cabe cancelar qualquer evento. Vamos fornecer aconselhamento técnico e considerações de gestão de risco, mas o restante depende do país organizador", declarou o Diretor Executivo da OMS para Emergências de Saúde, Michael Ryan, em entrevista coletiva.

O especialista, encarregado de coordenar a resposta ao vírus que causa a Covid-19 com outras agências das Nações Unidas, lembrou que a OMS trabalhou em estreita colaboração com os organizadores de outras edições dos Jogos, além de outros grandes eventos, como a Copa do Mundo, mas que a palavra final deve ir para os países anfitriões.

De Tóquio, o presidente da comissão de coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI) para os Jogos deste ano, John Coates, disse nesta sexta-feira que não há planos para mudar a sede ou a data do evento, ou nem mesmo qualquer tipo de plano de contingência devido à epidemia.

Por outro lado, os organizadores da maratona da capital japonesa, marcada para 1º de março, pediram hoje para que competidores que residem na China e se inscreveram para a corrida desistam voluntariamente, a troco de uma inscrição na edição de 2021.