EFENações Unidas

A ONU elevou nesta terça-feira, para 5,4%, a previsão de crescimento global para 2021, graças ao reaquecimento da atividade econômica na China e nos Estados Unidos, mas advertiu sobre o risco que o aumento de casos de covid-19 em alguns países pode acarretar para a recuperação.

A grande quantidade de contágios do novo coronavírus e as poucas vacinas disponíveis faz com que as perspectivas sejam fracas para muitos países da América Latina, do Sul da Ásia e da África subsaariana.

"A desigualdade com as vacinas entre países e regiões está representando um risco significativo para uma recuperação global já desigual e frágil", informou em nota o economista-chefe das Nações Unidas, Elliott Harris.

De acordo com Harris, um acesso universal e a tempo às vacinas contra a covid-19 fará a diferença entre uma recuperação rápida ou a perda de "muitos anos de crescimento, desenvolvimento e oportunidades".

O aumento das previsões de crescimento corresponde, principalmente, às melhoras econômicas em EUA e China, as maiores economias do mundo.

A ONU espera que a economia americana cresça 6,2% em 2021 - a taxa mais alta desde 1966 - devido à rápida campanha de vacinação, ao novo estímulo fiscal e à reabertura da atividade econômica. Para a China, a entidade prevê um crescimento de 8,2%, impulsionado por uma clara recuperação das exportações e da demanda interna.

O relatório da ONU é menos otimista para o restante do mundo, começando pela Europa, onde a organização espera um crescimento de 4,1% neste ano, abaixo do que previa em janeiro e um número que apenas compensaria a contração de 2020.

A ONU também projeta perspectivas ruins em vários países da África, da Ásia Meridional e da América Latina, com destaque para a situação na Índia, onde a pandemia está descontrolada, e países como Brasil, Argentina, Peru e Colômbia.

A análise prevê que, em 2021, América Latina e Caribe devem crescer 4,3%, após uma contração de 7,3% no ano passado.