EFECidade do Vaticano

O papa Francisco pediu aos bispos que "ninguém tome Deus como pretexto para construir muros, derrubar pontes e semear ódio", em discurso dirigido a eles nesta quinta-feira e no qual deu algumas pistas sobre como deveria ser o seu trabalho.

Francisco recebeu hoje os bispos ordenados neste ano, participantes do curso organizado pelas congregações para os bispos e as igrejas orientais, concluído ontem no Vaticano.

Ele disse aos bispos "que a proximidade das pessoas não é uma estratégia oportunista, mas nossa condição essencial".

"A proximidade do bispo não é retórica. Não é composta de proclamações autorreferenciais, mas de disponibilidade real", acrescentou.

Desta forma, o papa pediu aos bispos que "aproximem, mantenham contato com as pessoas, dediquem mais tempo para eles, que não temam o contato com a realidade".

"O termômetro de proximidade é a atenção aos últimos, aos pobres, e a sobriedade dos bispos também será assim, em um momento em que em muitas partes do mundo tudo se resume a um meio de atender às necessidades secundárias, que envolvem e esclerotizar o coração", completou.

Além disso, os convidou para que "tenham uma vida simples" e rodeados daqueles que, na sua pobreza, se lembram de Deus.