EFEAssunção

Policiais do Paraguai prenderam nesta quinta-feira quatro pessoas, entre elas, um funcionário do Ministério Público, acusadas de participar de um esquema de envio de grandes carregamentos de maconha para o Brasil.

Os detidos estariam ligados, segundo as investigações, à apreensão de 36,5 toneladas da droga, em julho deste ano, na fronteira entre o Mato Grosso do Sul e o norte do território paraguaio.

A informação das prisões de hoje, que aconteceram em imóveis localizados nos departamentos de Concepción e Amambay, foi feita pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), do Paraguai.

Entre os presos está Rodrigo Pedrozo, que é considerado o líder de uma quadrilha "que mobiliza produtores, transportadores e funcionários públicos, a fim de concretizar o tráfico de drogas", diz comunicado emitido pelo órgão governamental de segurança.

Diego Pedrozo, que é irmão do chefe do esquema, também foi detido. Ele é trabalha no Ministério Público da cidade de Concepción. Segundo a Senad, trata-se do responsável por coordenar a logística e fazer pagamentos às autoridades da região, para que os eventuais carregamentos de drogas cheguem ao destino final.

Também foi preso um ex-funcionário do MP local, de acordo com as informações divulgadas pelo órgão de segurança.

A Senad informou ainda que as 36 toneladas de maconha apreendidas no Mato Grosso do Sul, em junho, serão incineradas nesta sexta-feira.