EFELisboa

O presidente da liga que organiza o Campeonato Espanhol (LaLiga), Javier Tebas, garantiu nesta segunda-feira que não tem expectativas sobre uma nova reunião entre os grandes clubes do futebol europeu, semelhante ao que foi tentado no início deste ano.

"O conceito de Superliga está morto", disse o dirigente, durante debate realizado em Lisboa com o presidente da liga de Portugal, o ex-árbitro Pedro Proença.

Tebas afirmou considerar "perigosa" a intenção dos grandes clubes do futebol europeu de dominar a modalidade. Além disso, o espanhol garantiu que a iniciativa "vai contra as ligas nacionais, que são a essência da indústria".

Durante o debate, Tebas e Proença concordaram que o fundamental para o crescimento de cada liga nacional é o controle econômico dos clubes participantes e a venda centralizada dos direitos de transmissão em televisão.

"Quanto mais fortes forem as ligas nacionais, menos terão fuga de talentos. Ao invés de saírem com 19, irão com 22 anos", explicou Tebas.

Proença, por sua vez, garantiu que o objetivo dos dirigentes portugueses é colocar o campeonato nacional entre os cinco melhores da Europa. Atualmente, a liga lusa é a sexta, de acordo com os coeficientes da Uefa.

Tebas, por sua vez, fez uma defesa do Fair Play Financeiro adotado na Espanha, que, segundo ele, permitiu que as equipes fossem mais competitivas.

"Os clubes espanhóis, assim como os alemães, somos os mais sustentáveis economicamente", disse o presidente de LaLiga. EFE