EFEAmsterdã

O Museu Van Gogh em Amsterdã voltará a exibir dois quadros do pintor holandês roubados há 14 anos e recuperados em 2016 das mãos da máfia italiana, após a conclusão dos trabalhos de restauração, informou nesta terça-feira a pinacoteca.

As duas telas, "Vista do mar em Scheveningen" (1882) e "Congregação deixando a igreja reformada em Nuenen" (1884-1885) serão exibidos a partir de amanhã de forma permanente "depois de um tratamento de conservação" necessário após o estado no qual os quadros ficaram devido ao roubo, anunciou o Museu Van Gogh em comunicado.

Em dezembro de 2002, dois homens subiram no telhado do museu com uma escada, quebraram uma janela e levaram as duas telas.

Em 2016, as duas obras foram recuperadas na Itália e transferidas para Amsterdã, onde passaram dois anos no estúdio de conservação do museu e foram examinadas e restauradas.

Na obra "Vista do mar em Scheveningen" faltava uma parte "considerável" de pintura no canto esquerdo inferior, que foi preenchida com um molde impresso em 3D desenvolvido a partir de explorações e pesquisas para replicar o relevo dos traços originais.

A outra pintura quase não sofreu danos, mas estava coberta com uma camada de verniz brilhante não original que tinha adquirido uma cor amarela: esta camada foi eliminada e as cores agora são muito mais vivas, especialmente a do céu, segundo a nota.

As molduras antigas também foram destruídas pelos ladrões, por isso o museu teve que colocar novas.

"Os restauradores fizeram um trabalho brilhante e as pinturas voltarão a ser exibidas permanentemente em todo seu esplendor, para que todos as vejam", comemorou o diretor do Museu Van Gogh, Axel Rüger.