EFERio de Janeiro

Atual campeão da Taça Libertadores, o Flamengo deu adeus ao sonho de repetir a façanha ao ser eliminado nesta terça-feira nos pênaltis pelo Racing, da Argentina, nas oitavas de final do torneio, em uma noite na qual Willian Arão passou de herói a vilão no Maracanã.

Com bola rolando, a partida terminou empatada em 1 a 1, mesmo placar do duelo de ida, disputado no estádio Presidente Perón, em Avellaneda, na Grande Buenos Aires, no dia 24 de novembro.

O Flamengo atuou com um homem a menos desde os 18 minutos do segundo tempo, quando Rodrigo Caio foi expulso ao receber o segundo cartão amarelo. Aos 20, o prejuízo para o Rubro-Negro ficou maior quando Leonardo Sigali abriu o placar para os visitantes. Após cobrança de falta em direção à área, Gustavo Henrique afastou mal, e o atacante argentino, de frente para Diego Alves, mandou a bola para o fundo da rede.

Arão apareceu como salvador aos 48 minutos. Diego cobrou escanteio pelo lado esquerdo, e o volante cabeceou sem chance para o goleiro Gabriel Arias.

Como o placar da ida se repetiu, a decisão ficou para as penalidades. O Racing acertou suas cinco cobranças, incluindo a que fechou a série, e Arão errou a quarta do Flamengo, selando o resultado das cobranças em 5 a 3 para 'La Academia'.

Com a classificação, o Racing vai encarar nas quartas de final o vencedor da série entre Internacional e Boca Juniors, cujo jogo de ida acontecerá nesta quarta-feira, em Porto Alegre.

Antes da partida entre Flamengo e Racing, o Maracanã prestou um minuto de silêncio em homenagem a Marcelo Sayão, coordenador de fotografia da Agência Efe, que faleceu na última quinta-feira, aos 55 anos, no Rio de Janeiro. EFE

id/id