EFEParís

A secretária de Estado de Desenvolvimento, Francofonia e Acordos Internacionais da França, Chrysoula Zacharopoulou, foi acusada por duas pessoas de cometer o crime de estupro, durante a prática da ginecologia em Paris, segundo fontes do Ministério Público informaram nesta quarta-feira à Agência Efe.

A primeira denúncia contra a integrante do governo do presidente Emmanuel Macron foi apresentada em 25 de maio. Dois dias depois, foi aberta apuração liderada pela Brigada de Repressão da Delinquência às Pessoas.

"Essas investigações têm como objetivo determinar de os fatos denunciados são suscetíveis de uma qualificação penal", indicaram as fontes do Ministério Público.

A segunda denúncia de estupro foi feita por outra pessoa na última quinta-feira.

Nos dois casos, a alegação das vítimas é que os crimes teriam sido cometidos por Zacharopoulou, quando ela se aproveitou da posição de ginecologista.

A política franco-grega, de 46 anos, foi deputada no Parlamento Europeu e integra o mesmo partido de Macron. Ela assumiu a secretaria de Estado, que é vinculada ao Ministério das Relações Exteriores da França, faz um mês.

A ginecologista era notória por ter se encarregado de um projeto de tratamento da endomitriose, que havia sido entregue neste ano ao presidente francês. EFE