EFEBruxelas

O espanhol Roberto Martínez, técnico da seleção da Bélgica, negou, em entrevista publicada nesta sexta-feira que tenha mantido conversas com o Barcelona para substituir o holandês Ronald Koeman, atual comandante da equipe catalã.

"Não há absolutamente nada, não há contatos", afirmou o comandante dos Diabos Vermelhos desde 2016, ao jornal belga "Het Laatste Nieuws".

O técnico, que vem sendo especulado pela imprensa espanhola como um dos possíveis sucessores de Koeman, é amigo próximo do holandês Jordi Cruyff, ex-jogador e atual diretor internacional de captação de talentos do Barcelona.

"A base da minha amizade com Jordi é que separamos o pessoal do profissional. Em nenhum momento perguntei a ele qual era minha situação no Barcelona. Sequer acho que ele tenha a função de indicar um possível treinador", disse Martínez.

O espanhol, que comandou a Bélgica na Copa do Mundo de 2018, tem contrato com a federação do país até o fim da próxima edição do torneio, que acontecerá no ano que vem, no Catar, e se disse focado nas Eliminatórias, embora se preocupe com o futuro.

Gostaria que fossemos o primeiro europeu a se classificar para o Mundial. Esse é o desafio depois da Liga das Nações, mas no futebol nunca se sabe o que acontecerá amanhã. Me levanto todas as manhãs como técnico da Bélgica, e será assim até o fim do meu contrato", explicou o espanhol.

Os Diabos Vermelhos disputarão em outubro o 'Final Four' da Liga das Nações, em que enfrentarão a França nas semifinais e poderão enfrentar na decisão Espanha ou Itália.

Nas Eliminatórias, os belgas lideram com sobras o grupo E, com 16 pontos, em seis jogos. Com sete pontos, logo atrás aparecem República Tcheca (em cinco partidas) e País de Gales (quatro partidas. EFE