EFENova York

O produtor de cinema Harvey Weinstein voltou a ser visto na manhã desta quinta-feira em um tribunal de Nova York para confirmar uma nova mudança na sua equipe de defesa, apenas dois meses antes do julgamento no qual é acusado de vários crimes sexuais, marcado para o próximo dia 9 de setembro.

Após se desligar em janeiro do advogado Ben Brafman, que o defendeu desde sua detenção em maio de 2018, Weinstein contratou um "dream team" jurídico que incluía Ronald Sullivan e Jose Baez, conhecidos por casos de grande repercussão nos Estados Unidos, mas estes também acabaram se desvinculando do produtor.

Agora, Weinstein conta com os advogados Damon Cheronis e Donna Rotunno, que prometeram ao juiz que não tentarão postergar mais o julgamento, programado inicialmente para 3 de junho e adiado para setembro, segundo informou o portal especializado "Deadline".

Também compõem a equipe de defesa do produtor os advogados Marianne Bertuna e Arthur Aidala, que trabalhou com o rapper 50 Cent e com o fundador da emissora 'Fox News", Roger Ailes, entre outros clientes famosos.

Neste processo, o produtor foi denunciado por duas mulheres, uma que o acusa de tê-la estuprado em um hotel de Manhattan em 2013 e outra que afirma que Weinstein a forçou a fazer sexo oral em sua casa em 2006, acusações das quais se declarou inocente. EFE

nqs/cs/rsd

(foto) (vídeo)