EFENova York

Calcular como as mensagens publicadas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter afetam o ânimo dos investidores no mercado financeiro é o objetivo do "Volfefe", um índice criado pelo banco americano JPMorgan Chase.

Com um nome que lembra o "termo" "covfefe", que Trump escreveu de forma equivocada na rede social no ano passado, a ferramenta analisou os milhares de tweets publicados pelo presidente americano desde que ele tomou posse em fevereiro de 2017.

A conclusão do banco é que algumas mensagens de Trump aumentam significativamente a volatidade do mercado. E essas publicações têm sido feitas em um ritmo mais acelerado nas últimas semanas, segundo um relatório publicado pelo JPMorgan.

"Os temas desses tweets são cada vez mais para assuntos que movimentam mercados, sobretudo comércio e política monetária", afirmaram os especialistas do banco, que garantiram que essas publicações afetam a economia de forma imediata.

Segundo o JPMorgan, Trump escreveu mais de dez tweets por dia desde que assumiu o cargo, uma média que vem crescendo desde o fim do ano passado. Já a postagem de mensagens com potencial impacto sobre o mercado disparou em agosto, com repetidas menções à guerra comercial com a China, ao dólar e às políticas adotadas pelo Federal Reserve, o banco central dos EUA.

A análise foca nos rendimentos das treasuries de 2 e 5 anos, que foram especialmente afetados pelos tweets com conteúdo comercial. Entre os termos mais sensíveis ao mercado estão "China", "trilhões" e "produtos".

O índice do JPMorgan não é o primeiro a estudar a relação entre a atividade de Trump no Twitter e o mercado financeiro. O Bank of America, por exemplo, concluiu recentemente que a bolsa de valores funciona melhor quando o presidente fica longe das redes sociais.