EFENova York

O preço do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) para entrega em outubro abriu nesta segunda-feira em forte alta de 10,50% (US$ 5,76), superando a barreira dos US$ 60 dólares o barril, em um ambiente volátil após os ataques a duas refinarias da Arábia Saudita no fim de semana.

Às 10h05 (horário de Brasília), o petróleo de referência nos Estados Unidos cotava exatamente a US$ 60,61 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), onde se negociava um volume de mais de 619 mil contratos.

O preço, que chegou a subir 15,5%, disparou depois que os ataques com drones contra duas refinarias da petroleira estatal Aramco provocaram uma redução de mais de 5% do fornecimento global do petróleo.

A Aramco, maior empresa do mundo no setor, informou que levará várias semanas para regularizar a operação das instalações atingidas, o que gera incertezas sobre as possíveis consequências no fornecimento em nível mundial. De acordo com a estatal saudita, os ataques reduziram a produção de petróleo em aproximadamente 5,6 milhões de barris diários.

Em Viena, o secretário de Energia dos EUA, Rick Perry, acusou o Irã de ter cometido "um ataque deliberado à economia mundial", em alusão às duas explosões causadas no sábado passado em duas refinarias de petróleo na Arábia Saudita.

"Quero reiterar que os Estados Unidos condenam totalmente o ataque do Irã ao reino da Arábia Saudita e pedimos a outras nações que façam o mesmo. Este comportamento é inaceitável e (o Irã) tem que responder por isso", denunciou.

O Ministério das Relações Exteriores iraniano negou desde o início qualquer envolvimento do país nos ataques e denunciou planos de serviços de inteligência para "destruir a imagem" do Irã.

Para tranquilizar os mercados, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o país não precisa do petróleo e do gás do Oriente Médio.