EFECancún (México)

As praias e espaços públicos do Caribe mexicano foram reabertos aos visitantes nesta segunda-feira, depois que o risco de infecção pelo coronavírus no estado de Quintana Roo foi reduzido de alto para médio.

A mudança do semáforo de risco Covid-19 na área, de laranja para amarelo, significou a abertura gradual de parques, áreas desportivas e praias, que estavam fechados desde 13 de março, quando a pandemia foi declarada.

A reabertura, agora sob rigorosos protocolos de saúde, foi uma das ações mais aguardadas pela população e pelos turistas porque até agora apenas aqueles que estavam hospedados em hotéis podiam entrar nas praias.

MEDIDAS SANITÁRIAS.

As pessoas interessadas em desfrutar das praias nesta nova normalidade terão que manter um distanciamento de entre 2,5 metros a 5 metros com outros grupos de famílias, usar máscaras nas áreas de acesso e de transição e nos banheiros e passar por um filtro sanitário, além de serem proibidas de consumir bebidas alcoólicas.

Em Isla Mujeres, o acesso às praias Playa Centro, Playa Norte e Pet Friendly foi permitido. Em Cancún, foram liberadas a Praia dos Golfinhos, Chacmool e Las Perlas, todas com certificação Bandeira Azul.

Maritza Pat Ortega chegou cedo à Praia dos Golfinhos, usando vestido de debutante, tiara e máscara protetora, acompanhada por um pequeno grupo de familiares e amigos.

Eles só souberam da abertura das praias na última sexta-feira e, durante o fim de semana, acertaram detalhes para comemorar o aniversário de 15 anos da menina, cujas celebrações foram adiadas em junho devido à pandemia.

"Fiquei empolgada porque pensei que a comemoração dos meus 15 anos seria completamente cancelada", disse ela à Agência Efe sobre a longa espera de três meses para que as tradicionais fotos fossem tiradas.

A festa ainda não aconteceu e sequer tem data, mas a família Pat Ortega está se preparando para realizar um encontro, mesmo que seja pequeno. "Somente com a família, com a pequena parte da família que pode vir", acrescentou.

Carmen Guillén disse à Efe que não poderia voltar à Cidade do México sem sentir o mar de Cancún a seus pés. Várias semanas atrás, ela iniciou uma viagem de carro com a irmã e ou cunhado.

Junto com os companheiros, ela decidiu alugar uma casa no centro da cidade, mas até agora não haviam podido visitar a praia. Hoje, ela foi a primeira na longa fila a acessá-la.

María del Socorro Balan Ucan chamou a atenção dos visitantes da praia não só por causa de seu huipil colorido bordado, um traje típico mexicano, mas também pela maneira como desfrutava de conhecer o mar.

Originária do Ejido de Nohalal, no município de Hecelchakan, Campeche, e com a ajuda de familiares para traduzir do maia para o espanhol, Balam Ucan comentou sua experiência quando viu o mar de Cancún pela primeira vez. Ele não ousou se banhar por não saber nadar, e as ondas estavam muito intensas, mas isso não a impediu de apreciar a paisagem e brincar com um de seus netos.

Segundo o relatório do pessoal encarregado dos acessos à praia, em uma hora e meia mais de 300 pessoas já haviam entrado, e a capacidade máxima permitida é de 700 pessoas simultaneamente. EFE

lc/dr

(foto) (vídeo)