EFEPequim

A China reduziu e simplificou os setores sujeitos a restrições para os investidores e empresas estrangeiras, em um novo passo para a anunciada abertura da sua economia, em meio a disputas comerciais com os Estados Unidos.

A denominada "Lista Negativa de Acesso ao Mercado" é mais específica que as anteriores e contém 151 artigos e 581 medidas concretas, o que representa uma redução respectiva de 177 itens e 288 regulações em comparação com a versão anterior.

A lista foi divulgada nesta terça-feira pelo Ministério de Comércio e a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (CNDR).

De acordo com esta, só quatro setores estarão completamente restritos ao investimento estrangeiro, enquanto o resto requer a aprovação do governo, segundo a CNDR.

Segundo as autoridades, a aprovação desta lista busca também melhorar a reciprocidade para as empresas estrangeiras, que têm se queixado de que as firmas chinesas têm muito mais liberdades e facilidades para operar em seus territórios.

Especialistas opinam que a nova lista - publicada enquanto China e EUA mantêm novas negociações comerciais - tem um valor simbólico, já que os setores-chave da economia chinesa continuam sem estar ao alcance das empresas tanto estrangeiras como nacionais privadas.