EFEDavos (Suíça)

O Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou nesta segunda-feira as previsões de crescimento global para 3,5% em 2019 e para 3,6% em 2020, dois décimos e um décimo abaixo do estimado em outubro do ano passado, respectivamente, ao destacar a forte desaceleração da economia alemã, a grande contração da Turquia e a moderação da América Latina.

"A expansão global se debilitou", indica o relatório "Perspectivas Econômicas Globais" apresentado pela diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, prévio ao Fórum Econômico Mundial realizado em Davos (Suíça).

Segundo o relatório, o crescimento nas economias avançadas, especialmente a zona do euro, se moderou "mais rapidamente do que o previsto", enquanto as economias emergentes se estagnaram devido às "contrações na Argentina e na Turquia, assim como o impacto das ações comerciais sobre a China e outras economias asiáticas".

No entanto, o FMI mantém sem mudanças as estimativas para as duas grandes economias mundiais: os Estados Unidos continuarão com um sólido crescimento neste ano de 2,5%, que passará a 1,8% em 2020 conforme o incentivo fiscal começa a se diluir.

Por sua vez, a China crescerá 6,2% este ano e no ano que vem, dentro do seu "necessário processo de ajuste na regulação financeira".