EFEBuenos Aires

Uma greve de controladores do tráfego aéreo nos aeroportos da Argentina forçou nesta quinta-feira as companhias aéreas a reprogramarem alguns voos, o que causou atrasos no terminal aéreo de Ezeiza, o principal do país.

A medida foi convocada pela Associação de Técnicos e Empregados de Proteção e Segurança da Aeronavegação (Atepsa), que mantém um conflito com a Empresa Argentina de Navegação Aérea (EANA), responsável pelo funcionamento dos radares nos aeroportos.

O protesto começou na manhã desta quinta-feira e, segundo o anunciado pelo sindicato, vai até o dia 29 de junho, com "medidas de ação sindical" de quatro horas diárias, em média, que afetarão voos nacionais e internacionais.

A greve de hoje teve duas horas de paralisação de atividades.

Por enquanto, só foram registrados atrasos em dois voos da companhia Latam, que deveriam partir do aeroporto de Ezeiza, nos arredores de Buenos Aires, com destino a Santiago e São Paulo.

Para a tarde também está programada outra paralisação de duas horas dos controladores de tráfego aéreo, dos operadores dos serviços de informação e comunicações aeronáuticas, dos técnicos especialistas em comunicação, navegação e vigilância e dos especialistas em serviços de busca e salvamento.

O sindicato argumentou que a greve foi convocada devido à "falta de respostas para a grande quantidade de denúncias realizadas sobre as condições degradantes das prestadores de serviços, que impactam diretamente na segurança das operações das linhas aéreas".

Além disso, a Atepsa denuncia "situações de assédio e discriminação, o preocupante estado dos serviços de navegação aérea, aumento na carga de trabalho com a aprovação de novas rotas aéreas e a falta de compromisso por parte da EANA na hora de discutir salários".