EFEParis

A guerra na Ucrânia reduzirá o crescimento da economia mundial em um ponto percentual no primeiro ano e aumentará a inflação esperada em 2,5 pontos, segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que também prevê um impacto particularmente grande na Europa, que é altamente dependente do gás e do petróleo da Rússia.

Em um relatório divulgado nesta quinta-feira, a OCDE disse que o conflito vai diminuir o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro em 1,4 ponto, o dos Estados Unidos em cerca de 0,9 ponto, e o da Rússia em 10%.

O mundo pode enfrentar uma "escassez global de matérias-primas", pois a Rússia e a Ucrânia estão entre os maiores produtores mundiais de fertilizantes e metais como o níquel, titânio e paládio, advertiu o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, no lançamento do relatório.

Um risco adicional previsto pelos autores do estudo - que não fornecem estimativas para a Ucrânia - é uma paralisação completa das exportações de energia da Rússia para a União Europeia (UE), o que poderia reduzir o crescimento do PIB no país em mais 0,5 ponto, com a inflação total aumentando em cerca de 3,5 pontos em relação às expectativas pré-guerra.

Para enfrentar este choque, a organização considera que, a curto prazo, muitos governos terão que amortecer a escalada dos preços da energia e aumentar a produção de alimentos para compensar os que não chegarão mais de Rússia e Ucrânia.

Neste contexto, ele disse que para garantir que os custos para as finanças públicas sejam suportáveis e para evitar distorções nos preços, as medidas devem ser "seletivas, bem orientadas e temporárias".

Em outras palavras, segundo Cormann, a ajuda direta às famílias de baixa renda deve ter prioridade sobre outras medidas. Ele propôs que ela seja financiada com os lucros excepcionais que algumas empresas estão obtendo, os chamados "lucros que caíram do céu".

Cormann afirmou que o impacto econômico da guerra vai variar de país para país, mas "haverá claramente custos", com um "choque severo" para a cadeia de abastecimento e um "impacto significativo na confiança", o que terá "consequências" para os consumidores e as decisões comerciais.

A OCDE, embora reconhecendo a grande incerteza em torno do impacto da guerra, que dependerá em parte de sua duração e das respostas políticas, ressaltou que as consequências mais importantes são a perda de vidas e a crise humanitária. EFE