EFEBrasília

A Cúpula do Mercosul que será realizada na próxima segunda-feira no Paraguai começará a preparar o terreno para delinear normas comuns sobre o comércio eletrônico dentro do bloco, segundo informaram nesta quinta-feira fontes oficiais brasileiras.

"Esperamos que se defina um programa de trabalho para a agenda digital do Mercosul", que deverá estabelecer normas para regular o comércio eletrônico no bloco integrado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, disse o subsecretário para a América Latina e o Caribe da chancelaria brasileira, Paulo Estivallet.

Segundo o diplomata, a agenda digital está dentro da decisão do Mercosul de avançar para uma maior liberalização comercial, tanto dentro do bloco como na sua relação com o mundo.

"O Mercosul optou por uma maior inserção na economia mundial e a estratégia é buscar mais comércio, pelo qual o protecionismo não é uma solução, disse Estivallet em entrevista coletiva.

Estivallet destacou que, nos últimos dois anos, o Mercosul se centrou na "retomada da sua agenda comercial", que passa pela revisão das barreiras tarifárias que persistem no bloco e também no "relançamento" da sua promoção internacional.

Nesse marco, ele destacou que o Mercosul ainda acredita em um acordo em breve com a União Europeia (UE) e que, além disso, começou novas negociações, entre as quais citou as iniciadas este ano com Canadá, Coreia do Norte e Cingapura.

Estivallet também avaliou o processo de aproximação com a Aliança do Pacífico, integrada por Chile, Colômbia, Peru e México, que adotará "uma nova dimensão" com a cúpula que esse bloco realizará com o Mercosul no dia 24 de julho no México.

Esse primeiro encontro dos líderes de ambos os blocos será, na sua opinião, "um sinal político muito importante" e permitirá iniciar um processo de "identificação de oportunidades" entre os dois grandes mecanismos de integração latino-americanos, disse o subsecretário.

Esclareceu, no entanto, que o Mercosul e a Aliança do Pacífico não perseguem a assinatura de um acordo comercial, já que essa matéria está praticamente regulada na sua totalidade com acordos entre os países-membros de ambos os blocos, todos integrantes da Associação Latino-americana de Integração (Aladi).

Segundo fontes oficiais, o presidente MIchel Temer deve viajar para Assunção na própria segunda-feira, horas antes do início da Cúpula, e retornar para Brasília nesse mesmo dia.