EFENações Unidas

A ONU reduziu nesta terça-feira as expectativas sobre a economia mundial e anunciou que espera um crescimento de 2,7% para este ano e de 2,9% para 2020.

Em uma revisão das previsões econômicas, a organização alterou para baixo os números que havia publicado em janeiro - quando esperava um aumento de 3% tanto em 2019 como em 2020 - como consequência das guerras comerciais e da incerteza política.

A conjuntura, uma mistura de fatores internos e externos, afeta a maior parte das economias desenvolvidas e em desenvolvimento, segundo as Nações Unidas.

Sendo assim, após crescer 3% durante 2018, segundo os números da ONU, a economia mundial reduzirá o ritmo para 2,7% neste ano, uma estimativa que reforça a teoria de que o atual ciclo de crescimento já tocou o teto.

A ONU prevê para 2019 um crescimento do 2,3% nos Estados Unidos, 1,5% na União Europeia, 0,8% no Japão e 1,4% na Rússia. Já o conjunto das economias em desenvolvimento progrediria 4,1%, com América Latina e Caribe ainda na parte de trás, com um crescimento de apenas 1,1%.

O estudo destaca também vários riscos que podem desacelerar ainda mais o crescimento, como o aumento das guerras comerciais, a deterioração das condições financeiras e os efeitos da mudança climática.

Em plena tensão entre Estados Unidos e China, as Nações Unidas projetam que o comércio mundial crescerá 2,7% em 2019, bem abaixo dos 3,6% do ano passado.

A organização alerta que, se ambos continuarem aumentando as sobretaxas, as economias menos desenvolvidas podem sofrer, sobretudo aquelas cujas exportações dependem em grande parte desses países.

A ONU também avisa que a flexibilização das políticas monetárias adotadas por alguns bancos centrais em resposta ao escasso crescimento podem produzir desequilíbrios financeiros caso continuem por um longo período.