EFEAssunção

O governo do Paraguai anunciou nesta terça-feira que propôs ao Brasil um acordo sobre a indústria automotiva, uma decisão tomada após a Receita Federal ter imposto uma tarifa extra-Mercosul a peças fabricadas no país vizinho.

Apesar de os dois países fazerem parte do Mercosul, a indústria automotiva ficou de fora do regime comercial estabelecido pelo bloco, o que permitiu que a Receita aplicasse a tarifa sobre as peças de carros produzidas no Paraguai e trazidas para serem montadas no Brasil.

A medida da Receita colocou o governo e empresários paraguaios em alerta, já que a produção de peças automotivas gera US$ 300 milhões em exportações do país para o Brasil, de acordo com dados da Câmara de Empresas Maquiladoras do Paraguai (Cemap).

O ministro de Relações Exteriores do Paraguai, Luis Alberto Castiglioni, também discutiu a questão em reunião com os ministros de Fazenda, Benigno López, e de Indústria e Comércio, Liz Cramer. A presidente da Cemap, Carina Daher, também esteve no encontro.

Cramer informou após a reunião que o governo decidiu tomar ações de curto e médio prazo para solucionar a questão, entre elas a minuta de acordo proposta ao Brasil.

O documento já foi entregue ao encarregado de negócios da embaixada do Brasil em Assunção e também foi enviado para que o embaixador paraguaio em Brasília, Hugo Saguier, apresentasse diretamente a proposta ao Itamaraty.