EFEBuenos Aires

O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina registrou no primeiro trimestre deste ano um recuo de 5,8% em relação ao mesmo período de 2018, informou nesta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec).

Este foi o quarto trimestre consecutivo de queda da economia da Argentina, mantendo assim o país em quadro de recessão técnica. Segundo o Indec, o PIB também caiu 0,2% na comparação com os três últimos meses do ano passado.

No relatório divulgado hoje, o Indec destacou que houve crescimento de 10,5% no consumo das famílias, mas queda de 0,2% no consumo público em relação ao mesmo período de 2018. Além disso, as importações no período caíram 24,5%, e as exportações subiram 0,3%.

Afetado por uma grave crise cambial que obrigou o presidente Mauricio Macri a recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI), o país fechou o ano passado com uma queda de 2,5% do PIB, um dos piores desempenhos dos últimos anos.

Macri, que tentará se reeleger em outubro, incluiu no orçamento de 2019 a previsão de que a economia do país recuará 0,5% neste ano. No entanto, o mercado projeta que a queda do PIB deve ser de 1,5%.

Analistas do mercado consultados mensalmente pelo Banco Central da República da Argentina (BCRA) esperam que o país se recupere da crise em 2020 e cresça 2%. Para 2021, a previsão de expansão da economia é de 2,5%.