EFESeul

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, pediu nesta segunda-feira ao Japão para retirar as restrições impostas recentemente de exportaçãoo ao país vizinho e a dialogar para resolver a atual crise diplomática, ao mesmo tempo que ameaçou ativar medidas correspondentes se Tóquio não tomar a iniciativa.

É a primeira reação de Moon em relação às restrições impostas por Tóquio no dia 1 de julho, aparentemente em resposta às decisões de vários tribunais sul-coreanos - incluindo o Supremo - ordenando a empresas japonesas pagar compensações a cidadãos coreanos (ou a seus herdeiros) escravizados pelas mesmas durante a II Guerra Mundial.

As restrições afetam materiais que empresas sul-coreanas importam na sua maioria de Japão para fabricar produtos básicos para o principal setor exportador da Coreia do Sul, o de chips de memória e telas.

"A Coreia (do Sul) e o resto do mundo estão preocupados a respeito da decisão de restringir transações que apresentam um benefício privado mútuo por motivos políticos", acrescentou Moon, de acordo com comunicado de seu escritório.

Moon ressaltou que seu Governo, que apresentou uma queixa formal na Organização Mundial do Comércio (OMC), buscará "de maneira tranquila" uma solução diplomática e apoiará as empresas sul-coreanas que enfrentam as restrições, mas advertindo que pode responder se Tóquio não mostrar vontade de dialogar.