EFEDublin

A companhia Ryanair cancelou cerca de 400 voos em toda Europa pela greve convocada por seus pilotos na Alemanha, Irlanda, Bélgica, Suécia, Holanda, informou nesta sexta-feira a companhia aérea irlandesa.

Na Alemanha, a greve do sindicato dos pilotos Vereinigung Cockpit (VC) obrigou a Ryanair a cancelar um total de 250 voos em até dez aeroportos alemães, com transtornos para cerca de 42 mil passageiros.

Na Bélgica, a direção da companhia aérea mantém os 104 cancelamentos previstos para hoje, com 82 suspensões no aeroporto de Charleroi, ao sul de Bruxelas, e 22 no aeroporto de Zaventem, que afetarão no total até 14 mil passageiros.

Esse mesmo número de passageiros será afetado pela greve na Espanha, segundo os sindicatos de pilotos convocantes, que estimam que a mobilização causou transtornos a um total de 67 mil passageiros, mas a Ryanair situa esse número em torno dos 55 mil.

Na Suécia, a paralisação foi convocada por 40 pilotos da Ryanair, aproximadamente 80% dos contratados pela companhia aérea nesse país nórdico, e provocou o cancelamento de 22 voos com saída e chegada ao aeroporto de Skavsta (ao sul de Estocolmo).

Na Irlanda, a mobilização de 24 horas da Associação de Pilotos Irlandeses de Companhias Aéreas (Ialpa), a quinta desde o mês passado, provocou o cancelamento "de apenas 20 voos com origem ou destino" nesse país, 7% do total, o que afeta cerca de 3,5 mil clientes, segundo um comunicado da Ryanair.

A Ialpa agrupa cem pilotos contratados diretamente pela Ryanair neste país, enquanto o resto, cerca de 250, foram contratados por agências ou são autônomos e irão aos seus postos de trabalho com normalidade, o que permitirá operar hoje os 300 voos programados em Dublin, acrescentou a companhia.

Os pilotos holandeses se somaram à mobilização na quinta-feira, depois que um Tribunal de Haarlem, nos arredores de Amsterdã, desprezou uma solicitação da Ryanair para frear a greve.

Segundo a companhia aérea, todos os voos programados para hoje desde e para a Holanda operarão com normalidade.

A greve dos pilotos ocorre depois das interrupções da tripulação de cabine em 25 e 26 de julho na Irlanda, Portugal, Itália, Espanha e Bélgica.

Trata-se do primeiro protesto conjunto dos pilotos na história da companhia, que reivindicam avanços nas negociações que mantêm desde o começo deste ano sobre salários e condições trabalhistas.